Política

Menos políticos e mais técnicos

O prefeito Geraldo Julio não chamou nenhum vereador para compor o seu secretariado. O número de pastas foi reduzido de 24 para 15

Evento ocorre durante todo mês de outubro, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, em alusão ao Dia da CriançaEvento ocorre durante todo mês de outubro, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, em alusão ao Dia da Criança - Foto: Divulgação

Eleito pela maior frente de partidos já construída no Recife, com 20 legendas, o prefeito Geraldo Julio (PSB) montou uma equipe com perfil mais técnico, deixando de lado as indicações políticas. Após a eleição municipal, havia uma expectativa de como o gestor iria acomodar o interesse de tantos aliados no seu governo, mas o socialista restringiu os gestos partidários.

A decisão mais surpreendente foi a não convocação de um nome da Câmara de Vereadores para o seu primeiro escalão - gesto tomado pelos últimos prefeitos eleitos da Capital para acomodar suplentes da base e preservar a relação com o Legislativo.

“"Eu escolhi as pessoas que acho eu que são as mais adequadas para enfrentar cada uma das missões que essas secretarias têm. Temos gente com mandato, que disputou mandato e gente com perfil mais fortemente técnico. Procurei escolher as melhores pessoas, não tenho muito preconceito com quem disputa mandato, disputou e não se elegeu ou quem tem sobrenome”, resumiu Geraldo Julio, após a posse.

As indicações do primeiro escalão com vínculos com partidos aliados se restringiram a nomes que já integraram o primeiro governo e tiveram passagens aprovadas pelo prefeito: a secretária da Mulher, Cida Pedrosa (PCdoB), o secretário de Saneamento e deputado estadual licenciado, Alberto Feitosa (SD), e o secretário de Segurança, Murilo Cavalcanti (PMDB). A comunista foi secretária de Meio Ambiente no último mandato, mas deixou o posto, em abril do ano passado, para se candidatar ao cargo de vereadora e não se elegeu. Já os outros ocuparão as mesmas funções do primeiro mandato.

No segundo escalão, o PP indicou o sociólogo André Sena para a Secretaria-executiva de Políticas sobre Drogas. O presidente municipal do PSD, José Neves, permanece no Procon e o advogado Giovani Oliveira (PR) assume a representação em Brasília e Relações Internacionais.

Há uma expectativa de que Geraldo convoque novos nomes para o segundo escalão, como a ex-secretária de Desenvolvimento Social, Berenice Andrade, para a Csurb e os ex-vereadores Vicente André Gomes (PSB) e Henrique Leite (PDT). Este último chegou a ser elogiado pelo secretário de Governo, Sileno Guedes (PSB), como bom nome para o governo. O pedetista é cotado para ocupar um posto de interlocução com a Câmara de Vereadores, vinculado à pasta de Guedes.

Era esperado que Geraldo Julio convocar, pelo menos, dois vereadores para o seu governo, mas a expectativa não se cumpriu e criou insatisfação entre alguns aliados. Questionado, Sileno negou compromisso para chamar legisladores. “Não havia compromisso disso. Ninguém antecipa convite de secretário a quem quer que seja. Escolha de secretário cabe ao prefeito”, resumiu. Geraldo garantiu unidade na base, mesmo com a decisão. “Nossa base é coesa e vamos tratar a questão de cada vereador como a gente sempre tratou, com muita tranquilidade, diálogo e respeito”, defendeu.

Veja também

PGR defende legalidade do perdão da pena de Daniel Silveira
Daniel Silveira

PGR defende legalidade do perdão da pena de Daniel Silveira

Senado aprova MP que estabelece salário mínimo de R$ 1.212
Salário Mínimo

Senado aprova MP que estabelece salário mínimo de R$ 1.212