Mesmo criticado por vice-presidente do PSB em Pernambuco, Governo do Estado silencia

Estratégia é evitar o dimensionamento dos problemas internos do partido para não dar munição aos adversários

Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE)Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE) - Foto: Reprodução/Google Maps

 

Após o ex-diretor de relações institucionais do Complexo de Suape, Luciano Vasquez, direcionar a sua artilharia contra o rumo do Campo das Princesas, o governador do Estado, Paulo Câmara (PSB), preferiu adotar o silêncio. Procurado para rebater as críticas do socialista, a assessoria de imprensa do Governo afirmou que o gestor não iria se manifestar.

O secretário de desenvolvimento econômico e presidente do Complexo de Suape, Thiago Norões, também não quis comentar sobre as declarações e demissão que Vasquez alegar ter ocorrido sem o “diálogo”. A estratégia nas coxias do Governo é evitar o dimensionamento dos problemas internos do partido para não dar, com isso, munição para os adversários, que têm utilizado a crise interna no PSB para colocar em xeque a gestão.

Leia mais:
Crise interna se agrava no PSB

Assim como no caso envolvendo Vasquez, o Estado também preferiu adotar o silêncio quando Antonio Campos culpou o Governo pelo fracasso nas urnas e acusou setores do Campo das Princesas de operarem contra a sua postulação. Citada na nota de Vasquez, a deputada estadual eleita a prefeitura de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), foi procurada pela reportagem para comentar as declarações, mas não retornou as ligações até o fechamento desta edição.

 

Veja também

Referendada decisão que garante a estados, DF e municípios autonomia contra a pandemia
STF

Referendada decisão que garante a estados, DF e municípios autonomia contra a pandemia

Créditos adicionais de R$ 27,2 bilhões aguardam análise pelo Congresso
Brasília

Créditos adicionais de R$ 27,2 bilhões aguardam análise pelo Congresso