Michel Temer vê instabilidade com prisão de Lula

Durante entrevista, presidente evitou falar sobre a possibilidade de disputar reeleição e reforçou dificuldades do governo

O parlamentar esteve reunido com integrantes da Comissão pelas Estradas de Integração do Araripe, nesta segunda-feira (21). Uma das medidas que Armando afirmou que adotará é articular a bancada federal pernambucana para apoiar a iniciativa.O parlamentar esteve reunido com integrantes da Comissão pelas Estradas de Integração do Araripe, nesta segunda-feira (21). Uma das medidas que Armando afirmou que adotará é articular a bancada federal pernambucana para apoiar a iniciativa. - Foto: Leo Caldas/Divulgação

 

O presidente Michel Temer (PMDB) manifestou preocupação com os rumos da investigação da Operação Lava Jato e os seus efeitos na estabilidade do País. Durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, exibida nesta segunda-feira (14), o chefe do Executivo Federal afirmou que a possibilidade da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser concretizada pode provocar um “clima de instabilidade no País. Segundo ele, a pressão dos movimentos sociais e críticas da atuação do Judiciário poderão aprofundar a crise política.

“Espero, e acho que seria útil ao País, é que, se houver acusações contra o ex-presidente Lula, que elas sejam processadas com naturalidade. Você me pergunta: Se Lula for preso causa problema para o País? Acho que causa. Haverá movimentos sociais. E toda vez que você tem um movimento de contestação a uma decisão do Judiciário, pode criar uma instabilidade”, afirmou Temer, que evitou tecer maiores comentários sobre a ofensiva da Lava Jato contra o líder petista.

O presidente ainda se manifestou sobre os projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional e que são alvo de críticas da força-tarefa da Operação Lava Jato. Michel Temer garantiu que as matérias não causarão prejuízo ao andamento das apurações.

Sobre a denúncia feita pela defesa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) de que ele teria feito caixa dois na campanha ao receber R$ 11 milhões de empreiteiras, durante a campanha presidencial de 2014, o peemedebista garantiu que não tem preocupação com a possibilidade de perder o cargo em função das investigações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a chapa formada por ele e a petista. Michel Temer defendeu que o entendimento que as chapas devem ser julgadas em separados. “Vamos trabalhar no Executivo. Se acontecer alguma coisa, paciência”, afirmou.

O presidente ainda saiu em defesa do seu ex-ministro da Casa Civil, Romero Jucá (PMDB), que deixou a Esplanada dos Ministérios após denúncias. O chefe do Executivo afirmou que o correligonário não teve a morte civil ou política decretada e que não teria dificuldades em nomeá-lo líder do Governo.

Reeleição
O presidente Michel Temer procurou desviar dos questionamentos sobre uma eventual candidatura à reeleição em 2018. O gestor disse que encontrou “uma terra arrasada” ao assumir o comando do Executivo e que o País “estava à beira de um precipício econômico”. Ele ainda se mostrou ciente de sua baixa popularidade e afirmou que seu objetivo é colocar o Brasil nos trilhos até o fim do seu mandato.

 

Veja também

Senado aprova MP que protege bancos de variações cambiais
Bancos

Senado aprova MP que protege bancos de variações cambiais

Governo Bolsonaro deve ser denunciado na ONU por ‘boiada’ de retrocessos ambientais
Meio Ambiente

Governo Bolsonaro deve ser denunciado na ONU por ‘boiada’ de retrocessos ambientais