STF

Militares reagem a fala de ministro do STF que os vinculou a genocídio

As declarações foram feitas pelo ministro Gilmar Mendes

Gilmar MendesGilmar Mendes - Foto: Agência Brasil

O ministério da Defesa e as Forças Armadas se disseram indignados nesta segunda-feira (13) com as declarações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que afirmou que o "exército está se associando a esse genocídio" pela gestão da pandemia no Brasil.

"Comentários dessa natureza, completamente afastados dos fatos, causam indignação. Trata-se de uma acusação grave, além de infundada, irresponsável e, sobretudo, leviana", diz nota assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e pelos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Na nota, o ministério afirma que "o ataque gratuito a instituições de Estado não fortalece a democracia" e anuncia que vai levar o caso à Procuradoria-geral da República para que sejam tomadas as medidas pertinentes. "Na atual pandemia, as Forças Armadas, incluindo a Marinha, o Exército e a Força Aérea, estão completamente empenhadas justamente em preservar vidas", reagiu o ministério.

O ministro Gilmar Mendes fez estas declarações no sábado em uma live organizada pela revista "Isto É", ao lamentar o vacio no ministério da Saúde, chefiado interinamente pelo general Eduardo Pazuello. "É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso pôr fim a isso", afirmou.

Pazuello substituiu Nelson Teich, que se demitiu por divergências com o presidente Jair Bolsonaro na gestão da crise do novo coronavírus no país, o segundo em número de óbitos e casos confirmados.

Teich havia substituído Luiz Henrique Mandetta, exonerado por Bolsonaro por defender medidas de quarentena, adotadas em vários estados e municípios para conter a pandemia e por questionar o uso da cloroquina para tratar a doença. Pazuello, que não participa de coletivas de imprensa, nem tem experiência no setor da saúde ao contrário de seus antecessores, nomeou uma dezena de militares para altos cargos do ministério.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, também reagiu à fala de Gilmar Mendes, afirmando que o magistrado "ultrapassou o limite da crítica" com estas declarações. Bolsonaro, ex-capitão do Exército que não omite a nostalgia da ditadura  (1964-1985), nomeou militares à frente de dez de seus 23 ministérios e 3.000 oficiais no alto escalão da administração pública.

Veja também

Câmara de Petrolina concederá título de cidadão petrolinense a Bolsonaro
blog da folha

Câmara de Petrolina concederá título de cidadão petrolinense a Bolsonaro

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula
justiça

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula