Entrega de Serviço

Minas e Energia: "Distribuidoras que não oferecerem segurança não terão concessão renovada"

O ministro apontou preocupação com aquelas distribuidoras que tenham diferença das demais quanto à oferta de serviços por conta de problemas técnicos

Ministro de Minas e Energia, Alexandre SilveiraMinistro de Minas e Energia, Alexandre Silveira - Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que empresas distribuidoras de energia que não oferecerem condições de mínima de segurança de prestação de serviços não terão a concessão renovada. Ele disse que o governo tem preocupação com aquelas distribuidoras que tenham diferença das demais quanto à oferta de serviços por conta de problemas técnicos, colocando em xeque sua capacidade de continuar como concessionárias.

— Fizemos consulta pública, e o processo de renovação está sendo discutido com o Tribunal de Contas da União (TCU). Se não cumprirem itens essenciais para dar segurança de prestação de serviço, essas empresas vão ficar de fora — afirmou o ministro ao final do megaleilão de transmissão de energia realizado nesta sexta na B3.

A Light, distribuidora de energia no Rio de Janeiro, que pediu recuperação judicial, enviou este mês seu pedido para renovação do contrato de concessão por mais 30 anos ao Ministério de Minas e Energia e à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O contrato em vigor, também com validade de 30 anos, vence em 4 de junho de 2026. E prevê que a concessionária pode requerer sua renovação em até 36 meses antes do término de vigência. A companhia tem dívida de aproximadamente R$ 11 bilhões e vem enfrentando dificuldades há meses, com gatos em áreas de alto risco, onde não consegue operar, e queda no consumo de energia.

Silveira diz que essas empresas estão na ponta do cliente e que a renovação da concessão requer mais critérios. O ministro disse que essas empresas passam a "realidade do setor elétrico aos consumidores". Ele lembrou que a Enel e a EDP do Espírito Santo também têm concessões vencendo em prazos curtos.

— Os serviços estão sendo prestados dentro da normalidade, seguindo os parâmetros da Aneel — disse.

Ele lembrou que a lei restringe pedidos de recuperação judicial para concessionárias de energia e disse que a maneira como o processo foi conduzido (quem entrou com pedido de recuperação judicial foi a holding e não a distribuidora da Light) acabou sendo "um subterfúgio". Ele disse que o Ministério não foi instado a se pronunciar no processo judicial.

Veja também

Lula diz que novo presidente do BC não vai se submeter às pressões do mercado
PRESIDENTE

Lula diz que novo presidente do BC não vai se submeter às pressões do mercado

PL do aborto: quem é a mulher que interpretou feto no Senado
senado

PL do aborto: quem é a mulher que interpretou feto no Senado

Newsletter