Ministra de Direitos Humanos diz que 'mulher nasceu para ser mãe' e ideologia de gênero 'é morte'

Quem é Damares Alves, a futura ministra dos Direitos Humanos?

A demanda do 'homeschooling' está a cargo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos HumanosA demanda do 'homeschooling' está a cargo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Foto: Reprodução/YouTube

A mulher "nasceu para ser mãe", seu "papel mais especial", e dizer que elas estão em guerra com os homens é uma lorota feminista. É assim que a pastora evangélica Damares Alves, anunciada nesta quinta-feira (6) como ministra dos Direitos Humanos de Jair Bolsonaro (PSL), versa sobre o feminismo em entrevista gravada no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, para um site conservador do Rio Grande do Norte, o Expresso Nacional.

Ela, que numa pregação de 2013 se descreveu como pastora, professora, advogada e corintiana, trabalha, por um salário líquido de R$ 4.408, no gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), aliado de primeira hora do presidente eleito que acabou esnobado para um cargo na Esplanada.

Damares já fez a assessoria jurídica da Frente Parlamentar Evangélica, na qual ficou conhecida pelo bom trânsito com parlamentares. Diz-se mestre em educação e em direito constitucional e da família. Também é creditada como fundadora da Atini, uma entidade que zela por crianças indígenas. Suas pautas se alinham às da bancada que diz falar no Congresso em nome dos evangélicos.

Leia também:
'Gravidez é problema que dura só 9 meses', diz nova ministra da Mulher
Damares assumirá Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos
Indígenas tentam reunião com Bolsonaro para pedir Funai na Justiça
Bolsonaro ouve propostas de futuros ministros para estruturar equipe
Bolsonaro elogia Magno Malta, mas não o confirma no governo


Ao Expresso Nacional, por exemplo, afirmou que a ideologia de gênero é "morte, é morte de identidade", além de maldizer o aborto e a legalização das drogas. Todas as "pautas de esquerda", aliás, são "a morte" em sua opinião. "O menino abestado por maconha e abusado não vai liderar uma nação, é massa de manobra, [...] não tem senso de crítico."

Com carreira profissional hiperativa, ela diz que, ao contrário do que feministas propagandeariam, é possível, sim, ser do lar e do mercado de trabalho. "Me preocupo com ausência da mulher de casa", diz a pastora da Igreja Quadrangular, que brinca em seguida: amaria passar a tarde deitada na rede, "e o marido ralando muito, muito, muito para me encher de joias". Compara a imagem materna com "a da galinha com seus pintinhos embaixo da asa".

Ela já contou ter sido uma "sobrevivente da pedofilia", após ter sido "barbaramente estuprada" aos seis anos. O ataque teria a deixado incapaz de engravidar. O assunto, portanto, tem sua atenção máxima, diz. Para abordar os perigos virtuais, compartilha a história de uma menina que queria procurar na internet "trança embutida", escreveu "transa" e "entrou em choque" com o que viu.

O problema começa com bandas típicas do celeiro progressista, como a roqueira gaúcha Bidê ou Balde?, que tem a música "E Por Que Não?", que vai assim: "Eu estou adorando/ Ver a minha menina/ Com algumas colegas/ Dela da escolinha". O grupo chegou a homologar um acordo numa Vara da Infância que os impede de executar a canção novamente.

A nomeação de Damares foi elogiada por quatro parlamentares evangélicos que a reportagem consultou. Um mais próximo de Magno Malta, contudo, disse que o senador não reeleito se sentiu escanteado por Bolsonaro e que vê na indicação de sua assessora uma vã tentativa de colocar panos quentes em sua mágoa com o presidente eleito.

Veja também

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro
Crise

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro

OAB questiona decreto presidencial sobre compartilhamento de dados dos cidadãos
STF

OAB questiona decreto presidencial sobre compartilhamento de dados dos cidadãos