Política

Ministra do STF arquiva inquérito sobre Serra e JBS por prescrição

Investigação começou no ano passado após o dono da JBS, Joesley Batista, dizer que combinou pessoalmente com Serra uma contribuição de R$ 20 milhões para a campanha presidencial de 2010

Senador José Serra aparece na campanha referendando teoria de FHCSenador José Serra aparece na campanha referendando teoria de FHC - Foto: Divulgação

A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) e arquivou nesta sexta-feira (9), por prescrição, um inquérito aberto para apurar se o senador José Serra (PSDB-SP) recebeu recursos ilícitos da JBS.

Leia também
Wesley Batista, da JBS, deixa sede da PF em São Paulo
JBS é recebida na Fazenda em reunião sem Meirelles
Dodge pede ao STF arquivamento de inquérito sobre Serra
Serra afirma que não será candidato na eleição deste ano


A investigação começou no ano passado após o dono da JBS, Joesley Batista, dizer que combinou pessoalmente com Serra uma contribuição de R$ 20 milhões para a campanha presidencial de 2010. Desse valor, segundo Joesley, cerca de R$ 13 milhões foram doados oficialmente, e o restante, via caixa dois.

A suspeita era de crime de falsidade ideológica eleitoral (deixar de declarar valores recebidos, prática conhecida como caixa dois). "A submissão seria à pena máxima de cinco anos de reclusão, com prescrição delitiva pela pena abstrata em 12 anos" de acordo com o Código Penal, escreveu a ministra em sua decisão.

"Considerando a notícia de que o investigado, senador José Serra, conta atualmente com mais de 70 anos, a prescrição tem seu prazo reduzido pela metade em razão do favor etário previsto no art. 115 do Código Penal. Logo, para o delito de falsidade ideológica eleitoral, cuja pena máxima é de cinco anos, repito, a prescrição, para o investigado, consuma-se em seis anos", afirmou Rosa Weber.

Como o segundo turno das eleições de 2010 foi em 20 de novembro de 2011, observou a ministra, já se passaram mais de seis anos desde que supostamente foram cometidos os crimes.

Em 19 de janeiro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, havia pedido o arquivamento. Ela escreveu, na ocasião, que desde que o inquérito foi aberto a pedido de seu antecessor, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, os fatos investigados já estavam prescritos.

Veja também

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro
Bolsonaro

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro
Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro

Newsletter