Ministro admite alteração na reforma da Previdência, mas sem perder princípios

Dyogo Oliveira defendeu a votação da proposta em fevereiro, conforme já acertado com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia

Dyogo Oliveira, ministro do PlanejamentoDyogo Oliveira, ministro do Planejamento - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Dyogo Oliveira

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, admitiu nesta terça-feira (30) a possibilidade de novas alterações na proposta da reforma da Previdência defendida pelo governo, desde que essas mudanças não modifiquem os pontos principais do projeto. O ministro disse que essas novas mudanças teriam caráter pragmático, para possibilitar a aprovação no Congresso.

"O processo, daqui para frente, é muito pragmático, de conseguir votos. Pode haver alterações adicionais que viabilizem os votos", disse, acrescentando que "o princípio da reforma em si tem que ser preservado".

Leia também:
Reforma da Previdência ajudará a reduzir juros, diz presidente do BC
Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira


Dyogo Oliveira defendeu a votação da proposta em fevereiro, conforme já acertado com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. "Acho que retardar a discussão dificulta ainda mais. Depois da eleição já se tem um governo novo eleito, transição. Acho que o momento é agora".

Para o ministro, após as mudanças feitas na primeira proposta da reforma, a pressão contra a aprovação está focada em grupos que não querem ter suas regras equiparadas à do trabalhador do setor privado.

"A grande resistência que existe sobre a reforma é por enfrentar esses problemas [de desigualdade]. Muitos parlamentares são ligados a essas categorias que têm tratamento mais diferenciado. E é isso que a gente está enfrentando".

O ministro disse que o governo tinha chegado à estimativa de 270 votos favoráveis à reforma na semana passada, e precisa de mais 50 para ter segurança na votação. Sobre a possibilidade de a proposta não ser aprovada, ele disse que um plano B só será discutido depois de uma possível derrota da proposta no Congresso. As declarações do ministro foram dadas no debate "E agora, Brasil?", organizado pelo jornal O Globo.

Veja também

Bolsonaro apresenta boas condições de saúde, diz Planalto
Coronavírus

Bolsonaro apresenta boas condições de saúde, diz Planalto

Em março, Bolsonaro disse que ninguém deveria ser solto na pandemia
queiroz

Bolsonaro dizia que ninguém deveria ser solto na pandemia