Política

Ministro da Saúde confirma general como número 2 e fala em 'plano de saída' de isolamento

O general Eduardo Pazuello ocupa o cargo de secretário-executivo da pasta

General Eduardo PazuelloGeneral Eduardo Pazuello - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse nesta quarta-feira (22) que é impossível que o país sobreviva a mais de um ano parado e defendeu que haja um plano de saída do isolamento social. O ministro citou o conceito de que 70% da população precisa entrar em contato com o vírus para que a comunidade adquira imunidade, explicando que "talvez a gente nem chegue a esse número antes da vacina", relatou.

"Se você não tem um crescimento explosivo da doença, o que não está acontecendo no Brasil, a gente talvez nem chegue nesse número", disse. "É impossível um país sobreviver um ano, um ano e meio parado. O afastamento não pode não estar acompanhado de um programa de saída", completou. O ministro defendeu que o trabalho da pasta seja focado em três eixos: informação, infraestrutura e, em terceiro lugar, uma diretriz para que estados e municípios criem políticas em relação ao isolamento e distanciamento.

Leia também:
Teich debuta e garante criar programa para concentrar as informações sobre a Covid-19
Brasil passa dos 45 mil casos de Covid-19 e tem quase 3 mil mortes

Teich também confirmou que deve nomear o general Eduardo Pazuello ao cargo de secretário-executivo da pasta. Segundo ele, o general, que participou da Operação Acolhida, deve ajudar sobretudo na questão de infraestrutura na rede de saúde.
"Por que estou fazendo isso? Nesses poucos dias que estou aqui, a impressão que eu tenho é que a gente precisa ser muito mais eficiente do que a gente é hoje. A gente está falando de logística, de compras, de distribuição, e ele é uma pessoa muito experiente nisso."

Ele demonstrou preocupação com impactos sobre outras doenças, como atendimentos de câncer e doenças cardiovasculares, cujos pacientes não estariam procurando hospitais em meio à crise, afirma. Também voltou a dizer que impactos na economia podem gerar reflexos na saúde. "Se tivermos desemprego e perda significativa na saúde suplementar, isso vai sobrecarregar mais o SUS", disse.

Outro problema é uma demanda reprimida nos hospitais, aponta. "Qual o problema prático disso: vai ter demanda reprimida. E vamos ter outra crise, que é a não capacidade de atender uma demanda reprimida que é o não-Covid." Teich defendeu ainda a criação de um banco de dados com outros ministérios.

Veja também

Justiça Eleitoral recebe 28 mil registros de candidatura às eleições
Eleições 2022

Justiça Eleitoral recebe 28 mil registros de candidatura às eleições

Defesa de Gabriel Monteiro entra com recurso na Câmara Municipal
Rio de Janeiro

Defesa de Gabriel Monteiro entra com recurso na Câmara Municipal