Política

Ministro defende maior participação do setor privado no governo

Para Ricardo Salles, o engajamento do setor privado trará relevantes benefícios

Ricardo Salles, ministro do Meio AmbienteRicardo Salles, ministro do Meio Ambiente - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu nesta sexta-feira (5) a participação e aplicação de investimento por parte do setor privado para melhorar as condições de saneamento no país. “Essa ausência de investimento [no saneamento] é a prova do nosso subdesenvolvimento”, disse para uma plateia de empresários durante 18º Fórum Empresarial do Grupo de Líderes Empresariais (Lide) na cidade de Campos do Jordão (SP).

O ministro disse que defende, em sua gestão, a revisão do licenciamento ambiental, com objetivo de que se torne mais racional, para que os fiscais ambientais “se debrucem apenas sobre aquilo que é relevante”. “[O governo] gasta tempo, dinheiro e tecnologia para se dedicar a temas com pouca relevância. Não é a toa que enfrentamos Brumadinho depois de Mariana”, disse o ministro.




Leia também:
Huck critica ministro da Educação e diz que armar população 'só vai matar mais gente'
Não vou entregar o cargo, diz ministro de Educação após fala de BolsonaroGuedes: governo gasta 10 vezes mais com aposentadoria que com educação


Educação

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues, também presente no evento, convocou os empresários para dialogar com o governo. Segundo ele, os pilares da pasta será a alfabetização e o fim do abandono escolar.

“O problema do funil está na entrada, porque muitas crianças abandonam por falta de alfabetização. No meio, porque a taxa de desistência é de 30% entre os jovens, que abandonam o segundo grau”, disse o ministro.

Veja também

Raquel Lyra reafirma candidatura de Daniel Coelho, mas diz ter "muito carinho por Túlio Gadêlha"
ELEIÇÕES 2024

Raquel Lyra reafirma candidatura de Daniel Coelho, mas diz ter "muito carinho por Túlio Gadêlha"

Técnicos do TCU entendem que Lula pode ficar com relógio de R$ 80 mil
PATRIMÔNIO

Técnicos do TCU entendem que Lula pode ficar com relógio de R$ 80 mil

Newsletter