Ministro do STF nega pedido para anular impeachment de Dilma

No recurso, a defesa de Dilma alegou que não houve motivo legal para o afastamento

Ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki Ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki  - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki negou nesta quinta-feira (20) liminar protocolada pela defesa da ex-presidente Dilma Rousseff para anular a decisão final sobre o impeachment, definida pelo Senado em agosto. No recurso, a defesa de Dilma alegou que não houve motivo legal para o afastamento e que houve cerceamento de defesa em várias fases do processo.

Na decisão, o ministro disse que não ficou demonstrado, na decisão dos senadores que aprovaram o afastamento definitivo, nenhum "risco às instituições republicanas, ao Estado Democrático de Direito ou à ordem constitucional" que justifique a intervenção do Supremo.

"Somente uma cabal demonstração da indispensabilidade de prevenir gravíssimos danos às instituições, ou à democracia ou, enfim, ao Estado de Direito é que poderia justificar um imediato juízo sobre as questões postas na demanda, notadamente para o efeito de antecipar qualquer dos provimentos antecipatórios requeridos", afirmou Teori Zavascki.

Veja também

Carlos Andrade Lima promete criar instituto para cuidar de pessoas com deficiência
Eleições 2020

Carlos Andrade Lima promete criar instituto para cuidar de pessoas com deficiência

Em visita ao Sebrae, Marília fala sobre auxílio financeiro e apoio ao pequeno empreendedor
Eleições 2020

Em visita ao Sebrae, Marília fala sobre auxílio financeiro e apoio ao pequeno empreendedor