Ministro do STF

Moraes defende urnas eletrônicas: ''Vamos garantir a democracia no Brasil com eleições limpas''

O ministro do STF garantiu eleições limpas e transparentes, e que candidato mais votado em outubro será devidamente diplomado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF)O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Leia também

• Meta anuncia força-tarefa para evitar disparos em massa

• Alagoas realiza eleição indireta para governador-tampão

• Nunes Marques suspende julgamento sobre eleição em Alagoas, mas pleito está mantido

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) que presidirá o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante as eleições, defendeu as urnas eletrônicas e garantiu que o candidato escolhido pela população em outubro será devidamente diplomado.

Em seu discurso, durante o Congresso Brasileiro de Magistrados, neste sábado, em Salvador, o ministro afirmou que as eleições serão limpas e transparentes, apesar do desafio das "milícias digitais", criticadas por ele, que atacam os instrumentos garantidores da democracia.

— Vamos garantir a democracia no Brasil com eleições limpas, transparentes e por urnas eletrônicas. Em 19 de dezembro, quem ganhar vai ser diplomado nos termos constitucionais, e o Poder Judiciário vai continuar fiscalizando e garantindo a democracia — afirmou Alexandre de Moraes, durante um discurso de cerca de 30 minutos, publicado pelo g1. — Cada um de nós, isso não é só o Supremos Tribunal Federal, não são só os tribunais superiores, cada um de nós magistradas e magistrados, cada um de nós tem a sua responsabilidade para garantir que o país continue essa democracia.

A principal ameaça ao processo eleitoral, disse Moraes, são as "milícias digitais", que, com conteúdos falsos, tentam fazer com que a população duvide da mídia tradicional, um dos três sustentáculos da democracia, como descreveu. 

— A internet deu voz aos imbecis. Hoje qualquer um se diz especialista, veste terno, gravata, coloca painel falso de livros (no fundo do vídeo) e fala desde a guerra da Ucrânia até o preço da gasolina, além de atacar o Judiciário. Como não dá para atacar o povo, começaram a atacar os instrumentos que garantem a democracia — afirmou o ministro, que garantiu, porém, que o Judiciário não irá se acovardar. — De quatro em quatro anos tem eleições, e essas milícias digitais sabem disso. O Poder Judiciário não pode e não vai se acovardar perante essas agressões, eu tenho absoluta certeza disso. 

Na abertura do Congresso, na última quinta, o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD-MG) já havia feito um discurso em defesa das eleições e das urnas eletrônicas, em contraponto aos recentes ataques promovidos pelo presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores.

— É preciso haver um fortalecimento das instituições. Como disse o governador Rui Costa aqui, é inimaginável que chegaríamos em 2022 precisando defender o judiciário e a democracia em tempos de atentados nocivos à sociedade brasileira. Temos que ter coragem para defender o nosso judiciário e queria reafirmar aqui que eu respeito o poder judiciário do meu país — disse o senador.

Com G1

Veja também

Bolsonaro volta a estimular armamento da população: 'comprem suas armas'
Presidente da república

Bolsonaro volta a estimular armamento da população: 'comprem suas armas'

Maioria do STF aprova projeto reajuste de 18% em salários de juízes e servidores, com teto de R$ 46
BRASIL

Maioria do STF aprova reajuste para juízes e servidores, com teto de R$ 46,3 mil