A-A+

Moro diz que motim de policiais no Ceará é ilegal e precisa ser interrompido

Durante discurso, Moro evitou criminalizar a mobilização dos policiais, mas reforçou a ilegalidade da paralisação

Sergio MoroSergio Moro - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse neste sábado (29) que o motim de policiais militares no Ceará é ilegal e precisa ser interrompido o mais brevemente possível.
"Os policiais são profissionais dedicados, têm que ser valorizados. É claro que a paralisação, ela é ilegal, não deveria ser feita e tem que ser interrompida o mais brevemente possível", disse em entrevista coletiva.

Durante discurso, Moro evitou criminalizar a mobilização dos policiais, mas reforçou a ilegalidade da paralisação.

Leia também:
Governador do CE propõe emenda à Constituição proibindo anistia a policiais
Ceará cria comissão para tentar fim de motim de policiais
Sergio Moro pede inquérito contra punks de Belém por cartazes anti-Bolsonaro


"O governo federal vê com preocupação a paralisação, que é ilegal, da Polícia Militar do estado. Claro que o policial tem que ser valorizado, claro que o policial não pode ser tratado de maneira nenhuma como um criminoso. O que ele quer é cumprir a lei e não violar a lei, mas de fato essa paralisação é ilegal, é proibida pela Constituição", disse Moro.

Moro participou do 6º encontro do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste), que ocorre em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. A reunião contou com governadores como João Doria (PSDB-SP), Eduardo Leite (PSDB-RS), Ratinho Junior (PSD-PR) e Romeu Zema (Novo-MG).

Ao ser questionado sobre declarações de Doria sobre o assunto, Moro também disse que o governo federal está atuando no Ceará para dar apoio à população cearense, mas afirmou que a responsabilidade pelo fim da crise é do governo do estado, chefiado pelo petista Camilo Santana.

"O que nós temos é que trabalhar para resolver os problemas do Ceará sabendo das nossas limitações. Existe a autonomia dos estados. Quem tem a responsabilidade de resolver o problema é o estado do Ceará, não a União Federal. A União Federal está lá apoiando a população cearense para evitar que essa paralisação resulte em maior prejuízo para a população", diz Moro.

Na terça-feira (25), Doria reclamou da atuação de Moro e do presidente Jair Bolsonaro frente à crise na segurança pública e aos motins organizados por policiais militares em estados como o Ceará.

Classificando o movimento de "miliciamento das polícias militares", Doria criticou duramente os motins dos policiais, chamando a mobilização de inconstitucional e antidemocrática.

"É preciso que o governo federal tenha um posicionamento melhor nesta área. Eu confio e gosto do ministro Sergio Moro, mas ele precisa ter a firmeza que tinha como juiz agora como ministro também", disse Doria na terça-feira.

Moro negou que haja crise entre ele e governadores e disse que é contra a exploração política do motim. "Não existe crise nenhuma, e o que eu não concordo exatamente é com a exploração política do que acontece no Ceará, tanto no Ceará como fora do Ceará. A questão é muito séria, e nós temos que tocar com responsabilidade", disse o ministro da Justiça.

PRISÕES PREVENTIVAS DE PMs

O governador do Ceará, Camilo Santana, tem se recusado a discutir a anistia para os PMs amotinados, uma das principais reivindicações da categoria.

Na quinta-feira (27), o juiz Roberto Bulcão Coutinho, de Fortaleza, decretou a prisão preventiva (sem prazo determinado) de 43 PMs do estado suspeitos do crime de deserção, previsto no Código Penal Militar.

A decisão afirma que os policiais deixaram de se apresentar para a Operação Carnaval 2020 no último dia 21. O magistrado diz que a atitude dos policiais provocou consequências severas para a população, como o aumento no número de homicídios, e que é proibido aos militares fazer greve, como estabelece a Constituição.

O documento judicial afirma que a defesa pediu o relaxamento do flagrante "em face de atestados médicos apresentados" e que o eventual atraso "decorreu de mudança na rotina da administração, faltando dolo específico". Segundo os defensores, o episódio não configuraria deserção especial.

Veja também

Bolsonaro inaugura obras de integração do São Francisco na Paraíba
Obras

Bolsonaro inaugura obras de integração do São Francisco na Paraíba

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência
Emprego

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência