Moro diz que uso de algemas em réus da Lava Jato não deverá se repetir

Há duas semanas, a Polícia Federal usou algemas nas mãos e nos pés de Cabral durante a transferência dele

Moro vai interrogar o ex-presidente Lula sobre o sítio em Atibaia, em novembroMoro vai interrogar o ex-presidente Lula sobre o sítio em Atibaia, em novembro - Foto: Divulgação

O juiz federal Sérgio Moro disse que o uso de algemas nas mãos e nos pés de investigados na Operação Lava Jato não deverá se repetir. O entendimento do juiz está em um pedido de informações assinado no dia 26 de janeiro e enviado à segunda instância da Justiça Federal, que deverá julgar um habeas corpus protocolado pela defesa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

Há duas semanas, a Polícia Federal (PF) usou algemas nas mãos e nos pés de Cabral durante a transferência dele de um presídio no Rio de Janeiro para o Complexo Médico-Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Após a transferência, Moro cobrou explicações da PF, e a corporação informou que a medida foi necessária para garantir a segurança da operação.

Leia também:
PF diz que uso de algemas em Cabral foi necessário para garantir “segurança”
Moro pede o leilão do tríplex do Guarujá


Ao enviar as informações à segunda instância, Moro disse que foi recomendado à PF o cumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que impede o uso de algemas sem necessidade. “Então, parece bastante improvável que episódio equivalente se repita, salvo talvez em circunstâncias muito excepcionais”, afirmou o juiz no documento.

Ao transferir Sérgio Cabral para Curitiba, Moro atendeu a pedido do Ministério Público Federal (MPF), diante da constatação de regalias ao ex-governador em um presídio no Rio de Janeiro. Após chegar a Curitiba, Cabral foi transportado com algemas nas mãos e nos pés, e na parte traseira da viatura da PF. Além disso, as algemas das mãos estavam presas a um cinto, impedindo a livre movimentação dos braços. O ex-governador é réu em 20 processos e está preso preventivamente por acusações de corrupção.

Veja também

MPPE alerta que circulação de pessoas sem máscaras pode ser enquadrada como crime

MPPE alerta que circulação de pessoas sem máscaras pode ser enquadrada como crime

Projeto quer proibir comícios e eventos com aglomerações na campanha eleitoral de 2020
ELEIÇÕES 2020

Projeto quer proibir comícios e aglomerações na campanha