Moro é cobrado por manifestante sobre caso Queiroz em supermercado; veja vídeo

A assessoria do ministro da Justiça confirma o ocorrido

Sérgio MoroSérgio Moro - Foto: Carl de Souza/AFP

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o ministro da Justiça, Sergio Moro, sendo alvo de questionamentos em um supermercado de Brasília sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) citado em relatório do Coaf que indicou movimentações atípicas na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

"Por que o Queiroz não é pauta? A roubalheira do PT é pauta, mas a do PSL, do Queiroz não é pauta do governo? Ele [Moro] não pode falar sobre isso? Aí você quer me censurar por isso também?", questiona o autor do vídeo, que tem uma bandeira do Brasil sobre os ombros.

O ex-juiz aparece ao fundo do vídeo, em um dos caixas do supermercado. Mais próximo da gravação está Marcos Koren, segurança do ministro, com quem o autor do vídeo discute. Koren diz não conhecer Moro e tenta acalmar o manifestante. "Estou gravando porque tenho um celular, estou em um ambiente público", rebateu o autor.

Leia também:
Familiares de Queiroz não comparecem a depoimento no MP
Fabrício Queiroz diz que movimentação atípica vem de comércio de carros
Sergio Moro participará de seminário sobre corrupção nesta terça


"Você está sendo desagradável e mal-educado com todo mundo aqui", disse Moro.
No vídeo também é possível ouvir uma voz feminina que pede para Moro "salvar Fortaleza e o Ceará" -o estado vive uma onda de violência que motivou o envio da Força Nacional de Segurança, determinado pelo próprio Moro.

A assessoria de Moro confirma o episódio, mas afirma que o ex-juiz não se lembra ao certo quando ocorreu. Na última terça (8), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou que a Polícia Federal reforce a segurança pessoal de Moro.

"Diante de informações sobre situações de risco decorrentes do exercício do cargo de titular do Ministério da Justiça e Segurança Pública, determino à Polícia Federal providências no sentido de garantir, diretamente ou por meio de articulação com os órgãos de segurança pública dos entes federativos, a segurança pessoal do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública e de seus familiares", diz o texto, publicado no Diário Oficial da União.

Moro não foi o único integrante do primeiro escalão do governo Bolsonaro alvo de ofensas em local público. No último dia 4, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse por meio de nota que foi constrangida por vendedor em loja de Brasília. Ela teria sido questionada se é menino ou menina por estar com uma roupa azul.


Veja também

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo
Política

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo