Moro não esteve comigo na campanha, diz Bolsonaro após pedido para cuidar de ministro

A mensagem foi escrita em resposta a um pedido de um apoiador por meio das redes sociais

Bolsonaro e MoroBolsonaro e Moro - Foto: Carolina Antunes/PR

Em meio a um desgaste na relação com o ministro Sergio Moro (Justiça), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que o ex-juiz não esteve com ele durante a campanha eleitoral.

A mensagem foi escrita em resposta a um pedido de um apoiador por meio das redes sociais. "Todo respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha, até que, como juiz, não poderia", escreveu Bolsonaro em sua conta do Facebook.

O comentário foi feito após um seguidor do presidente comentar uma publicação da rede social com a seguinte mensagem: "Jair Messias Bolsonaro, cuide bem do Ministro Moro, você sabe que votamos em um governo composto por você, ele e o Paulo Guedes", escreveu o eleitor.

Leia também:
Não tenho problema nenhum com Moro, diz Bolsonaro
Moro teve recuos e derrotas desde que virou superministro de Bolsonaro

Moro abriu mão de sua carreira da juiz, após ganhar repercussão nacional ao conduzir a Lava Jato em Curitiba, para assumir um "superministério" do governo Bolsonaro.

Desde que tornou-se ministro da Justiça, ele vem sofrendo uma série de desgastes, com declarações públicas do presidente que enfraquecem sua autonomia como ministro.

No sábado (24), Bolsonaro colocou em xeque a carta branca que disse que daria a Moro logo após sua escolha para o cargo de ministro.

"Olha, carta branca. Eu tenho poder de veto em qualquer coisa, se não eu não sou presidente. Todos os ministros têm essa ingerência minha e eu fui eleito para mudar. Ponto final", disse, ao deixar o Palácio da Alvorada.

O presidente disse não ter nenhum problema com Moro, em meio a um enfraquecimento do titular da Justiça. "Não tenho problema nenhum com o Moro. Cada hora levantam uma coisa. Uma hora era Marcelo Álvaro Antonio [Turismo], o Onyx [Casa Civil] também", disse.

Bolsonaro mudou seu discurso em relação à época em que escolheu o ex-juiz da Lava Jato para sua equipe ministerial e disse que ele teria carta branca.

A recente interferência na Polícia Federal é apontada internamente como a mais emblemática da falta de poder do ex-juiz no cargo atual, mas episódios com teor semelhante se acumularam ao longo de mais de oito meses de governo. Apesar dos ataques à sua prometida autonomia, Moro permanece calado.

A PF é subordinada a Moro, também enfraquecido em meio à divulgação de mensagens que mostram sua atuação em parceria com os procuradores em diferentes processos da Lava Jato e que colocaram em xeque sua atuação como juiz federal.

Moro ainda tem sofrido seguidas derrotas no Congresso, onde tramita o pacote de medidas anticrime encaminhado por ele no início do governo.

Quando confirmou o convite ao então juiz federal, em novembro de 2018, Bolsonaro disse em entrevistas que tinha combinado com Moro que ele teria "liberdade total" para atuar no combate à corrupção e ao crime organizado.

Veja também

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
Eleições 2020

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação
STF

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação