A-A+

Moro quebra sigilo de parte da delação de Antonio Palocci

O ex-ministro terá que pagar multa de R$ 35 milhões e teve redução de 2/3 da pena

Moro levanta sigilo de parte de delação de PalocciMoro levanta sigilo de parte de delação de Palocci - Foto: Wikipédia

O juiz Sergio Moro quebrou o sigilo de parte do acordo de colaboração de Antonio Palocci com a Polícia Federal. Moro incluiu as informações delatadas por Palocci na ação penal do Instituto Lula. No despacho, o juiz afirma que "examinando o seu conteúdo, não vislumbro riscos às investigações em outorgar-lhe publicidade".

Os benefícios acertados por Palocci também se tornaram públicos. Entre eles, o ex-ministro terá que pagar multa de R$ 35 milhões e teve redução de 2/3 da pena.
Em um dos anexos, Palocci detalha um suposto esquema de indicações para cargos na Petrobras durante o governo Lula.

Leia também:
Palocci diz em depoimento que Lula atuava diretamente em pedido de propina
Moro defende sua competência para julgar ação sobre sítio de Atibaia
Juiz determina oitiva de Palocci em caso de Lula sobre caças suecos
Lewandowski determina cumprimento de decisão para entrevista Lula
Lula dará entrevista para Mônica Bergamo na prisão


Ele relata uma reunião no Palácio do Planalto com a presença do então presidente na qual, segundo diz, teria sido acertado o pagamento de R$ 40 milhões em propina para a campanha de Dilma Rousseff em 2010. Ela estaria presente. As afirmações já tinham sido feitas em depoimentos anteriores por Palocci. Lula e Dilma negaram as acusações.

Palocci também conta que houve a "ideia de nacionalizac¸a~o do projeto do pre´-sal", o que se deu "pelo aspecto social, de gerac¸a~o de empregos e desenvolvimento nacional, e objetivo, para atendimento dos interesses das empreiteiras nacionais, as quais tinham o´timo relacionamento com o governo".

Na delação, o ex-petista disse ainda que seria "muito mais fa´cil discutir com a OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa contribuic¸o~es para campanhas eleitorais do que se tentar discutir os mesmos assuntos com empresas estrangeiras".

Veja também

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile
VIOLÊNCIA

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento
Representatividade

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento