Eleições 2022

Moro reforça aliança com MBL após escândalo com Arthur do Val

'Continua firme e forte', afirmou o ex-juiz

Ex-ministro da Justiça Sérgio MoroEx-ministro da Justiça Sérgio Moro - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Após escândalo envolvendo fala machista do deputado Arthur do Val (Podemos), o pré-candidato do Podemos à Presidência da República, Sergio Moro, negou, nesta segunda-feira (14), que tenha rompido com o MBL e disse que a aliança continua "firme e forte".

— (a Aliança com o MBL) continua firme e forte. Esses boatos sobre MBL não são verdadeiros - afirmou o ex-ministro, que participou de um almoço promovido pelo Instituto de Formação de Líderes de São Paulo (IFL-SP).

Como noticiou a colunista do Globo Bela Megale, após racha com Do Val, integrantes do MBL tem atuado para minar a candidatura do ex-juiz da Lava-Jato. O movimento queria indicar um novo nome próprio para a disputa ao Palácio dos Bandeirantes, mas Moro tem defendido publicamente o nome da presidente do partido, Renata Abreu.

Renata, além de presidir a sigla, é o único consenso entre os prefeitos do estado que defendiam apoiar a candidatura do vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB). Embora a ausência de um palanque próprio não seja descartada, a presidente da sigla tem reforçado nos bastidores a importância de ter um nome do Podemos na disputa do maior colégio eleitoral do país.
 

Nesta segunda, Moro disse que o palanque em São Paulo está sendo discutido internamente, inclusive a possibilidade de um outro nome do movimento.

Apesar da declaração, auxiliares de Moro avaliam que o MBL pouco contribuiu com a campanha do ex-juiz até agora e, ao contrário, só  trouxe crises pouco mais de um mês após filiação de seus integrantes ao Podemls. Além da declaração de Do Val de que ucranianas são "fáceis porque são pobres", Moro precisou defender o deputado Kim Kataguiri da fala de que a Alemanha errou ao criminalizar o nazismo.

Veja também

Cármen Lúcia: "Brasil não pode ficar a cada governo tendo um soluço antidemocrático ambiental"
BRASIL

Cármen Lúcia: "Brasil não pode ficar a cada governo tendo um soluço antidemocrático ambiental"

Ex-comandante do Exército depõe à PF sobre trama golpista: entenda os pontos que ele pode esclarecer
POLÍCIA FEDERAL

Ex-comandante do Exército depõe à PF sobre trama golpista: entenda os pontos que ele pode esclarecer