Moro silencia sobre fala de Bolsonaro e abandona entrevista após três minutos

O ex-juiz federal ficou apenas três minutos em um evento marcado pela pasta nesta quarta-feira (4) e foi embora sem responder a perguntas

Jair Bolsonaro e Sergio moroJair Bolsonaro e Sergio moro - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro da Justiça, Sergio Moro, silenciou sobre as declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em relação à Polícia Federal. O ex-juiz federal ficou apenas três minutos em um evento marcado pela pasta nesta quarta-feira (4) e foi embora sem responder a perguntas.

O ministério convocou a imprensa para uma entrevista sobre a terceira fase de uma operação de combate à pedofilia, deflagrada nesta manhã (4). A presença de Moro estava confirmada, ao lado de secretários e diretores da pasta.

Leia também:
Doria está morto para 2022 e ministro da AGU é mais 'supremável' que Moro, diz Bolsonaro
Juízes da Lava Jato trabalham 'a 4 mãos' após saída de Moro


O ministro fez o discurso de abertura da entrevista, falou por cerca de dois minutos e meio e disse que teria de ir embora para um outro compromisso. A reportagem perguntou a Moro, enquanto ele se retirava da sala do ministério da Justiça, sobre a troca de comando da PF. Ele não respondeu, acenando com a mão, dando tchau.

Um dia antes, à Folha de S.Paulo, Bolsonaro afirmou que o comando da Polícia Federal precisa dar uma "arejada" e chamou de "babaquice" a reação de integrantes da corporação às declarações dele sobre trocas em superintendências e na diretoria-geral.

Bolsonaro disse ainda que já teve uma conversa com Moro sobre uma possível mudança na direção da PF, subordinada ao ministro da Justiça. "Está tudo acertado com o Moro, ele pode trocar [o diretor-geral, Maurício Valeixo] quando quiser."

A assessoria do Ministério da Justiça não soube informar para qual compromisso o ministro foi ao deixar a entrevista. Em sua agenda disponível no site, havia uma reunião com a desembargadora Rosane Portella Wolff, às 11h. O evento com a imprensa começou às 10h35.

Desde o início da crise com a PF, o ministro falou sobre o assunto apenas em uma entrevista apara a GloboNews. "Veja, como eu tenho as várias funções aqui do Ministério da Justiça, as coisas eventualmente podem mudar, mas ele está no cargo, permanece no cargo, tem a minha confiança", disse, em 28 de agosto.

Em compromissos do ministério, Moro tem marcado eventos sem contato direto com a imprensa, fazendo apenas pronunciamentos. A agenda desta quarta, porém, foi o primeira convocada no formato de entrevista coletiva, que pressupõe a dinâmica de perguntas e respostas.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, o silêncio do ministro da diante dos sucessivos movimentos de interferência do presidente Bolsonaro na Polícia Federal causou estranheza na cúpula do órgão.

No primeiro episódio da crise, Bolsonaro atropelou a PF e anunciou uma troca na superintendência do Rio, sugerindo inclusive um nome para a mudança. Depois, o presidente colocou em xeque a permanência do diretor-geral, Maurício Valeixo, à frente do órgão. À Folha, nesta quarta, Bolsonaro manteve o tom e reafirmou a necessidade de mudança na PF.

Entenda o caso

Em julho, Bolsonaro anunciou que Ricardo Saadi seria substituído por Alexandre Silva Saraiva na Superintendência da PF no RJ. A direção da PF, contudo, havia escolhido Carlos Henrique Oliveira Sousa, da Superintendência de PE.

Veja também

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es
Eleições 2020

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão
Eleições 2020

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão