Mourão admite que Coaf na Justiça 'não dá' mais e espera aprovação de MP

O governo se apressa para aprovar a MP que criou a atual estrutura do governo, com 22 ministérios

Vice-presidente da República, Hamilton MourãoVice-presidente da República, Hamilton Mourão - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, defendeu nesta terça-feira (28) que o Senado não altere o texto da medida provisória 870, que reestrutura o governo, sob o risco de o texto caducar caso tenha de passar por nova análise da Câmara.

"Eu acho que a gente corre o risco sério de a MP caducar, e isso é pior. Então, o ótimo é inimigo do bom. O ótimo é o Coaf com o Moro, não dá. Então, vamos ficar com o bom", disse Mourão.

O governo se apressa para aprovar a MP que criou a atual estrutura do governo, com 22 ministérios. O texto, primeiro ato assinado por Bolsonaro quando assumiu a Presidência, perde validade dia 3 de junho se não for aprovado pelo Congresso até essa data.

Leia também:
Qualquer que seja novo governo na Venezuela, deverá dar retorno ao investimento chinês, diz Mourão
Governo pretende gastar R$ 7 mi em carros para família de Bolsonaro e de Mourão


A MP já passou pelo crivo da Câmara na semana passada, quando deputados transferiram o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) do Ministério da Justiça para Economia. Se os senadores fizerem novas modificações será necessária nova análise dos deputados, o que poderia levar a MP a caducar pelo prazo curto.

Diante do risco de que isso ocorra, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e os ministros Sergio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia), fizeram um apelo aos senadores da base para que o texto seja aprovado sem novas mudanças.

A retirada do Coaf da Justiça foi vista como uma derrota para Moro. Contudo, diante da possibilidade de toda a estrutura do governo ser comprometida, o próprio chefe da pasta passou a fazer apelos a parlamentares.

Bolsonaro recebeu nesta terça os senadores do PSL no Palácio do Planalto.

O líder do partido, Major Olímpio (PSL-SP), deixou a reunião dizendo que a legenda votará pelo texto como foi aprovado na Câmara, com o Coaf sob os cuidados de Guedes.

"O presidente reconhece a importância da medida provisória como um todo e todo o seu conteúdo, mas ele entende que houve um avanço muito significativo e positivo com as medidas até então votadas e aprovadas. E teme que se nós tivermos alguma alteração, destaques que podem ocorrer na medida provisória, seja em relação à Funai, ou ao Coaf principalmente, possa comprometer com a exiguidade de tempo para que possa retornar à Câmara e ser reavaliado".

O senador disse ainda que o presidente pediu que o texto seja mantido como aprovado pelos deputados.

Veja também

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade
Política

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade