Mourão defende liberação de recursos para estados em fala a governadores

Mourão participou do segundo fórum de governadores, que aconteceu nesta quarta-feira (12)

Vice-presidente general Hamilton Mourão e presidente eleito Jair BolsonaroVice-presidente general Hamilton Mourão e presidente eleito Jair Bolsonaro - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Em discurso a governadores eleitos, o vice-presidente da República eleito, Hamilton Mourão, defendeu que a União faça "o mais cedo possível" uma liberação de recursos para os estados. Disse, ainda, que é necessário um ajuste fiscal severo no âmbito do governo central.

"Somos da mais firme opinião de que temos que diminuir de forma radical o peso que o governo central tem em cima dos demais entes da federação. Temos que liberar os recursos o mais cedo possível, redistribuir esses recursos, de modo que os nossos estados e o DF tenham a sua vida própria e consigam se organizar da melhor forma possível", disse. 

Leia também:
Mourão defende reforma tributária para distribuir melhor as receitas
TSE rejeita ação do PT para cassar Bolsonaro e Mourão


Mourão participou do segundo fórum de governadores, que aconteceu nesta quarta-feira (12). Na ocasião, foram discutidos tópicos relacionados à segurança pública, como a distribuição automática dos recursos oriundos do Fundo Penitenciário Nacional e do Fundo Nacional de Segurança Pública. "Temos de passar por um ajuste fiscal severo no âmbito do governo central e, a partir daí, traçarmos as políticas que irão beneficiar a todos", afirmou.

Depois de mencionar a questão tributária, Mourão disse que é necessário "reorganizar e reduzir, de modo que todos tenham o recurso disponível". Segundo o vice-presidente eleito, o governo central não quer ser um entrave para o estados. "Estamos mais do que abertos a toda e qualquer negociação que tiver que ser feita."

Veja também

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty
Brasil

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina
Política

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina