Mourão faz mea-culpa sobre queimadas e anuncia 'recado pequeno' ao Vaticano

Mourão reforçou a soberania brasileira no que diz respeito aos assuntos relacionados ao bioma e disse que se reunirá com representantes do papa

Vice-presidente do governo, Hamilton MourãoVice-presidente do governo, Hamilton Mourão - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (11) em Roma que o governo brasileiro não aceita ficar com o papel de vilão no debate sobre a preservação da Amazônia, região que é tema do sínodo da Igreja Católica que acontece desde a última segunda (6) no Vaticano.

Em entrevista na Embaixada do Brasil na Itália, Mourão reforçou a soberania brasileira no que diz respeito aos assuntos relacionados ao bioma e disse que se reunirá com representantes do papa Francisco.

"A mensagem que eu quero passar, em nome do nosso governo, é que a Amazônia brasileira é brasileira. É responsabilidade nossa preservá-la e protegê-la. Quero
deixar isso claro."

"Nós não queremos ser colocados como vilões, como o governo da motosserra, governo exterminador de indígena, que não respeita direitos humanos. Quero mostrar que estamos comprometidos com os grandes temas do século 21, a preservação da vida na terra", afirmou. "É um recado pequeno, mas firme."

Leia também:
Mourão elogia Bolsonaro e diz que país é exemplo de proteção ambiental
Mourão diz que para retomar crescimento é preciso debelar crise fiscal


O vice-presidente chegou nesta sexta-feira a Roma para representar o governo brasileiro na cerimônia de canonização da Irmã Dulce, neste domingo (13), na Praça de São Pedro, e anunciou que encontrará, na segunda (14), os secretários do Vaticano Pietro Parolin (Estado) e Paul Richard Gallagher (Relações Exteriores).

O presidente Jair Bolsonaro alegou oficialmente problemas de agenda para não participar da cerimônia de canonização, em que estarão também outros políticos brasileiros.

Convocado pelo papa em 2017, o Sínodo da Amazônia é uma assembleia chefiada por ele com religiosos e especialistas dos nove países da região. Começou nesta semana e acontece até o dia 27 de outubro.

O objetivo é discutir a ação pastoral da igreja na área, além da situação do meio ambiente e dos moradores. Muitas das apresentações feitas nas sessões do evento trataram, nesta primeira semana, do desmatamento na porção brasileira da floresta e da situação dos povos indígenas.

Questionado sobre se os temas prejudicam a imagem do Brasil no exterior, Mourão fez um mea-culpa e disse que o governo reagiu mal no início das queimadas, em agosto.

"Óbvio que isso não é bom", respondeu. "Esse pacote todo gera um certo ruído, e a gente faz nosso mea-culpa porque, nos primeiros momentos da crise das queimadas, que é algo que ocorre todo ano, não tivemos uma reação correta."

"Agora temos que buscar um diálogo melhor, mais positivo, e usar todas as capacidades dos governos federal e estaduais para que as ilegalidades sejam proibidas e que sejam dadas assistências às pessoas que trabalham e produzem ali", disse.

Mourão declarou ainda que o governo brasileiro não considera o papa Francisco um inimigo. "O governo brasileiro em nenhum momento pode julgar que o papa é inimigo. Pelo contrário, é o líder maior da Igreja Católica. O que está ocorrendo no Sínodo da Amazônia é algo que está planejado há algum tempo, eu e o governo entendemos a problemática que a igreja enfrenta na região."

Segundo ele, o presidente Bolsonaro deve organizar uma viagem para a Itália no ano que vem, na qual poderá se encontrar com o papa.

Veja também

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho
Geral

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
Política

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro