Movimento que projetou Tabata forma coalizão e propõe lei para enquadrar partidos

Uma coalizão encabeçada pelo Acredito, grupo que ajudou a eleger os deputados federais Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES), apresentou no Congresso um projeto de lei com a intenção de modernizar as siglas no Brasil

Dep. Tabata Amaral (PDT - SP)Dep. Tabata Amaral (PDT - SP) - Foto: Tabata Amaral

Alvo de críticas desde que se instalou o embate entre deputados e partidos na votação da reforma da Previdência, movimentos que pregam renovação política iniciaram oficialmente nessa quinta-feira (15) uma ofensiva para tentar enquadrar as legendas no país.

Uma coalizão encabeçada pelo Acredito, grupo que ajudou a eleger os deputados federais Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES), apresentou no Congresso um projeto de lei com a intenção de modernizar as siglas no Brasil, com aumento de democracia interna e transparência.

O Agora! (que tem entre os membros o apresentador Luciano Huck, quase presidenciável em 2018) e o Livres (de defesa da causa liberal) também compõem a frente, ao lado de outras organizações.

Leia também:
Estratégia 'combo' do PSDB tem convite a Frota e Tabata com aval de Doria
Huck defende Tabata e diz que velha política tenta calar renovação

​Tabata e Rigoni viraram protagonistas de uma crise que pode resultar na expulsão deles do PDT e do PSB, respectivamente. Em julho, os dois contrariaram a determinação das legendas e marcaram sim à Previdência, o que desencadeou processos por infidelidade partidária que terão desfecho nas próximas semanas.

O episódio suscitou ataques a ambos sob a acusação de que votaram em obediência ao movimento suprapartidário (que é favorável à reforma), e não às legendas que representam na Câmara. Líder do PDT, o ex-presidenciável Ciro Gomes pediu a saída de Tabata e chamou organizações como o Acredito de "partidos clandestinos".

O projeto de lei inclui uma alteração na legislação para mudar os critérios sobre expulsão no caso de descumprimento de orientação do partido. A ideia é dar às bancadas mais poder na tomada de decisão.

O texto, que foi protocolado ao mesmo tempo na Câmara e no Senado, quer modificar pontos da chamada Lei dos Partidos Políticos para endurecer regras sobre prestação de contas, tempo de mandatos de dirigentes, participação de mulheres e punições para desvios éticos.

Desde o início, os idealizadores do manifesto tinham a preocupação de evitar que a articulação soasse como revide aos partidos ou afronta. "Não é um ataque, mas uma forma de usar os episódios que aconteceram como aprendizado", disse Felipe Oriá, cofundador do Acredito.

A pauta de modernização e reforma das agremiações já era discutida pelos movimentos antes do episódio dos dissidentes da reforma, lembrou Oriá.

"O que queremos é combater essas oligarquias em que os partidos acabaram se transformando. Longe de querer enfraquecê-los, o que buscamos é ajudá-los a se renovar para que se reconstruam inclusive perante a opinião pública", acrescentou.

O texto foi formatado ao longo de reuniões nas últimas semanas com a presença do cientista político Marcelo Issa, do Transparência Partidária, movimento que estuda as legendas no Brasil e busca formas de aperfeiçoá-las.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que é colega de Tabata e Rigoni no Acredito, também assina a proposta de lei. Os deputados Marcelo Calero (Cidadania-RJ) e Joenia Wapichana (Rede-RR), que fazem parte do Agora!, são outros que subscrevem o texto. Calero endossa a proposta, ainda, como membro do Livres.

Segundo Oriá, outros parlamentares se mostraram dispostos a assinar o projeto de lei e devem aderir nos próximos dias. A tramitação do texto na Casa deve ser conturbada, já que interfere em interesses de caciques.

O RenovaBR, que auxilia potenciais candidatos e deu bolsas a Tabata, Rigoni e Alessandro em 2018, não consta entre os autores do manifesto. No entanto, a direção do grupo -que não se identifica como um movimento, mas como um curso de capacitação- é simpática à iniciativa.

Em nota divulgada no mês passado, o fundador do Renova, Eduardo Mufarej, repudiou ataques aos movimentos cívicos e sustentou que "partidos não deveriam ter donos".

No lançamento da iniciativa em Brasília, Tabata disse "acreditar demais" nas legendas e ressaltou que elas "são parte integral" da democracia. "Eu não consigo imaginar um Brasil mais inclusivo, desenvolvido e ético que não passe pela renovação dos partidos."

"A gente precisa de muita coragem, de muita força, para questionar como as coisas são feitas, para questionar o status quo, e ter coragem de lutar por uma democracia mais profunda", completou a deputada, que é colunista da Folha de S.Paulo.

O evento no Senado reuniu ainda os deputados Tiago Mitraud (Novo-MG), Adriana Ventura (Novo-SP), Rodrigo Agostinho (PSB-SP) e Rodrigo Coelho (PSB-SC), além dos senadores Styvenson Valentim (Podemos-RN) e Eduardo Girão (Podemos-CE).

O "Manifesto pela renovação dos partidos", como é intitulado o documento, defende que as legendas se abram à sociedade e superem um modelo associado a "personalismos e práticas fisiológicas".

Os autores afirmam não querer interferir na autonomia funcional e operacional das agremiações, garantida pela Constituição, mas ponderam: "Infelizmente, essa autonomia foi distorcida, e democracia interna -na maior parte das vezes- deu lugar a práticas autocráticas".

Eles criticam a "proliferação de legendas muitas vezes sem repercussão e legitimidade junto à sociedade", mais conhecidas como siglas de aluguel.

Em outro ponto, a carta diz que "sem mecanismos de democracia interna, muitos partidos passaram a ter donos" e que outros "são tratados como negócios", já que falta transparência sobre o uso de recursos recebidos, inclusive de fundos públicos.

Também assinam o manifesto as organizações: Contas Abertas, Unidos contra a Corrupção, Instituto Ethos, CLP (Liderança Pública), Instituto de Fiscalização e Controle, Instituto Não Aceito Corrupção e Transparência Brasil.

Propostas
No projeto de lei, as demandas são traduzidas em pontos concretos. Uma das propostas determina que as legendas realizem prévias para escolher candidatos nas eleições, o que reforçaria o poder de decisão dos filiados.

O texto sugere ainda que os partidos e suas fundações passem a se submeter à Lei de Acesso à Informação, como forma de pressioná-los a dar satisfações sobre seus gastos e decisões.

Outro aspecto diz respeito justamente à questão da fidelidade partidária, que atinge Tabata e Rigoni. Ao marcarem sim à reforma previdenciária, eles e outros colegas de bancada descumpriram orientação das executivas nacionais do PDT e do PSB, contrárias à mudança.

Nesses casos, a punição a dissidentes é prevista tanto em lei quanto nos estatutos da siglas. Se forem expulsos, contudo, os parlamentares mantêm o mandato e podem se filiar imediatamente a outra legenda.

A proposta costurada pelos movimentos fala em ouvir também os membros das bancadas, e não só a instância decisória do partido, para deliberar sobre o chamado fechamento de questão.

"A orientação de voto de bancada partidária apta a ensejar penalização a parlamentares divergentes dependerá de autorização da maioria absoluta dos membros do órgão de direção da respectiva esfera partidária e de dois terços dos membros da bancada, cabendo a seu líder eventual voto de desempate", afirma o projeto.

Se a mudança for implementada, a tendência é que haja um equilíbrio maior entre o peso da cúpula partidária e dos representantes no Legislativo. Para os movimentos, hoje faltam "critérios objetivos e democráticos para definição de posicionamento".

Indagado sobre a menção ao tema, o senador Alessandro disse no ato em Brasília que a proposta não tem relação com "questões pontuais", como as enfrentadas agora pelos companheiros de Acredito. "Nossa intenção é que, daqui para a frente, você possa ter construções partidárias mais sólidas e democráticas", afirmou.

Veja também

Presidente da OAB diz que convocará sessão para debater omissões de Bolsonaro na pandemia
POLÍTICA

Presidente da OAB diz que convocará sessão para debater omissões de Bolsonaro na pandemia

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada
Lei de Segurança nacional

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada