Eleições

Movimentos antirracistas pressionam TSE por cota para candidatos negros

A pressão ocorre diante do temor de que a pauta não seja apreciada em tempo para as eleições municipais deste ano

Urnas eletrônicasUrnas eletrônicas - Foto: José Cruz/ Agência Brasil

A Coalizão Negra por Direitos ingressou com pedido de "amicus curiae" ("amigo da corte") em processo que discute a distribuição proporcional do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e do tempo de propaganda eleitoral para candidatos negros e brancos. O grupo também solicitou uma reunião com os magistrados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Organizações antirracistas, como a própria Coalizão Negra, o Instituto Marielle Franco, a ONG Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes) e o movimento Mulheres Negras Decidem, enviaram ao TSE um documento com quase 10 mil assinaturas em apoio à causa.

A pressão ocorre diante do temor de que a pauta não seja apreciada em tempo para as eleições municipais deste ano.
Em junho, o processo teve votos favoráveis dos ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, mas Alexandre de Morais pediu vistas e ainda não disponibilizou seu voto. O magistrado tem indicado nos bastidores que irá liberar o caso para julgamento no começo de agosto.

Barroso votou contra a ideia da cota, mas a favor da distribuição proporcional dos recursos e do tempo de propaganda no rádio e na TV pelo critério de raça.

Caso o processo seja julgado ainda neste mês, ministros da corte acreditam que uma decisão favorável aos negros poderia valer para o pleito deste ano. A validade para esta eleição, porém, deve ser um debate à parte em relação ao que trata do mérito do tema.

Veja também

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
Eleições 2020

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação
STF

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação