Congresso

MP libera crédito de R$ 2,9 bilhões para ações de combate à pandemia

Mais de R$ 1,2 bilhão custeará leitos nos estados e municípios; há dinheiro ainda para transporte de oxigênio e compra de testes de diagnóstico

Leitos de hospitalLeitos de hospital - Foto: Rogério Santana/Governo do Rio de Janeiro

O Poder Executivo publicou nesta quinta-feira (25) a Medida Provisória 1032/21, que destina ao Ministério da Saúde um crédito extraordinário de R$ 2,861 bilhões para ações de combate à pandemia do novo coronavírus.

O Fundo Nacional de Saúde ficará com a maior parte, R$ 2,51 bilhões (88,0% do total), para custeio da atenção especializada (50,6%) e primária (27,9%), da vigilância em saúde (4,8%), da saúde indígena (0,9%) e da gestão (3,8%).

Está reservado R$ 1,244 bilhão para manter a oferta de leitos de UTI nos entes federativos. Há dinheiro ainda para transporte de oxigênio, compra de testes de diagnóstico e bonificação a 55 mil servidores que atuam no atendimento.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) terá R$ 327,1 milhões (11,4%) para manter o funcionamento de 173 leitos de UTI em um centro hospitalar, comprar testes, financiar pesquisas e treinar profissionais da rede de vigilância em saúde.

O Grupo Hospitalar Conceição (GHC), rede de hospitais federais em Porto Alegre (RS), receberá R$ 15,6 milhões (0,4%) para comprar medicamentos, equipamentos de proteção individual e exames para diagnóstico.

Os recursos para o valor total desse crédito extraordinário virão do Tesouro Nacional, oriundos das receitas da União com concessões e permissões.

Tramitação
A MP 1030 será analisada inicialmente por uma comissão mista. O texto aprovado será colocado em votação, posteriormente, nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.

 

Veja também

TCU vê potencial prejuízo em desvio de doação para programa de Michelle
Família Bolsonaro

TCU vê potencial prejuízo em desvio de doação para programa de Michelle

MPF pede transparência e controle das normas de imigração editadas durante a pandemia
Coronavírus

MPF pede transparência e controle das normas de imigração editadas durante a pandemia