MP não é necessária para validar reforma trabalhista, diz Maia

Maia afirmou ainda que não haverá insegurança jurídica em relação à reforma trabalhista se a medida provisória caducar. "A MP trouxe insegurança jurídica, mas sua não votação restabelece a segurança jurídica do projeto de lei original", disse.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Considerada um retrocesso pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a medida provisória com ajustes à reforma trabalhista deve perder a validade sem que haja esforços para sua votação.  "Se a comissão mista não aprovar o parecer, não posso votar na Câmara. [...] Se caducar, caducou, perdeu a validade", disse Maia

A medida provisória 808 foi editada pelo presidente Michel Temer (PMDB) no fim do ano passado e tem duração de 120 dias. Para virar lei, precisa ser aprovada até 23 de abril. A comissão instalada para analisar a matéria ainda não tem presidente ou relator.

Nesta segunda-feira (2), o presidente da Câmara deixou claro que não concorda com a medida e defendeu a não aprovação. "A medida provisória tinha algumas questões que faziam a reforma andar para trás. Não tem prejuízo, muito pelo contrário, se o projeto ficar como está. Já temos uma boa legislação em relação ao que tínhamos no passado", disse.

Leia também:
Eunício: MP para alterar reforma trabalhista só vai a votação se chegar a tempo
Maia se diz contrário à MP que aumenta tributação dos fundos exclusivos

Maia afirmou ainda que não haverá insegurança jurídica em relação à reforma trabalhista se a medida provisória caducar. "A MP trouxe insegurança jurídica, mas sua não votação restabelece a segurança jurídica do projeto de lei original", disse.

Sem a aprovação da MP, no entanto, especialistas veem brechas para judicialização. 
Segundo o deputado, a prioridade da Câmara nesta semana é votar um projeto que estabelece um sistema integrado de segurança pública e projetos que reduzam a taxa de juros para consumidores. "A taxa de juros do Banco Central é de menos de 7% e para o consumidor chega a 300% ao ano, é impagável", disse.

Maia mencionou uma série de medidas econômicas que devem ser pautadas na Câmara, como o projeto do cadastro positivo, autonomia do BC e regulamentação de duplicatas.
As propostas fazem parte de um pacote do Planalto para substituir a reforma da Previdência e que foi criticado e chamado de "velho" pelo presidente da Câmara à época.

Eleição

Maia, que é pré-candidato ao Planalto, evitou falar sobre uma possível terceira denúncia contra Temer e sobre a operação da Polícia Federal que prendeu amigos do presidente na semana passada. "O presidente da Câmara trabalha pela estabilidade política e democrática no Brasil, pela manutenção das relações institucionais entre os poderes. O que a gente espera é que essa crise possa passar independente do que venha pela frente", disse.

Maia deu entrevista à imprensa em Belo Horizonte, na sua terceira passagem pela capital mineira em dois meses. Ele participou de reunião do Democratas de Minas. Foi o primeiro encontro presidido pelo deputado federal Rodrigo Pacheco (DEM-MG), recém filiado ao partido.

Pacheco é pré-candidato ao governo de Minas e assumiu a direção do Democratas no estado.

Veja também

Ministério da Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla
Saúde

Ministério da Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais
Edmar Lyra

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais