Política

MPF denuncia Cabral e dez deputados por esquema de propina na Alerj

Entre os demais denunciados estão secretários e ex-secretários estaduais, deputados e assessores parlamentares

ex-governador do Rio, Sergio Cabralex-governador do Rio, Sergio Cabral - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou hoje (14) o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, dez deputados estaduais e mais 17 pessoas por um esquema de propinas na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Entre os demais denunciados estão secretários e ex-secretários estaduais, deputados e assessores parlamentares.

De acordo com a denúncia apresentada nesta sexta (14) ao Tribunal Regional Federal na 2ª Região (TRF2), o esquema envolvia nomeações viciadas e pagamentos de propinas a deputados em troca de apoio aos governos de Cabral e de seu sucessor (que também está preso por outra investigação), Luiz Fernando Pezão.

Leia também:
Ministro do Trabalho em exercício é suspenso após operação da PF
PF faz operação para ampliar investigações no Ministério do Trabalho
PF cumpre mandados de buscas em imóveis de Aécio Neves


Além de Cabral, foram denunciados os ex-presidentes da Alerj Jorge Picianni e Paulo Melo (ambos do MDB) e os parlamentares André Correa (DEM), Edson Albertassi (MDB), Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (SD), Luiz Martins (PDT), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahão (Avante) e Marcus Vinicius “Neskau” (PTB).

Os dez deputados foram presos na Operação Furna da Onça, desencadeada no início de novembro, e que serviu de base para a denúncia apresentada hoje. Picciani, Melo e Albertassi já estavam presos desde a Operação Cadeia Velha, no final de 2017. O MPF acusa os denunciados pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Veja também

TSE aprova registro de mais duas federações partidárias
Eleições 2022

TSE aprova registro de mais duas federações partidárias

Bolsonaro se esquiva de responder sobre homem morto em 'câmara de gás' e cita policiais assassinados
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Bolsonaro se esquiva de responder sobre homem morto em 'câmara de gás' e cita policiais assassinados