Machismo

Mulheres sofrem, em média, quatro interrupções por sessão nas CPIs do MST e 8 de janeiro

Relatora Eliziane Gama e a deputada federal Sâmia Bomfim são os alvos mais constantes; levantamento leva em conta as primeiras seis sessões

A senadora Eliziane Gama e a deputada federal Sâmia Bomfim A senadora Eliziane Gama e a deputada federal Sâmia Bomfim  - Foto: Reprodução

Desde a instauração das CPI's do dia 8 de janeiro e do MST, parlamentares mulheres que integram o colegiado foram interrompidas, em média, quatro vezes por sessão. Até esta terça-feira, duas reuniões foram realizadas na comissão que investiga os ataques golpistas, nas quais a relatora Eliziane Gama somou oito interrupções. Na sessão de hoje, a apresentação do plano de trabalho foi cortada quatro vezes.

Em entrevista ao Globo, a senadora afirmou que não será intimidada por esses atos de violência que considera fruto do machismo:

— Não me intimidarei com um grito dado por eles ou interrupções de nossa fala. Tais atitudes não me demovem das minhas convicções. Tenho um histórico de luta contra a violência política e hoje, mais do que nunca, não estou sozinha: conto com a força de outras mulheres e de homens também, daqueles que não praticam e não toleram o machismo — destaca Eliziane.

O endosso à parlamentar, porém, vai além dos acenos feitos por colegas do parlamento. De acordo com pesquisa da Quaest, feita a pedido da reportagem, as interrupções das mulheres geraram 37 mil menções nas redes entre os dias 20 de maio e 1º de junho.

Na sessão desta terça-feira, Eliziane não foi a única mulher a ser interrompida. A deputada Laura Carneiro (PSD-RJ) e a senadora Soraya Thronicke (União-MS) também foram alvos de desrespeito.

— Peço respeito aos colegas, eu fiz silêncio. Aqui não é comissão nem de P, nem de L, nem de Lula e Bolsonaro. Aqui é comissão de D de Democracia — disse Thronicke durante a reunião.

Já no colegiado que investiga as invasões recentes do movimento social, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) teve a fala interceptada 14 vezes e o microfone cortado pela mesa diretora em três ocasiões. Sua colega de bancada, a deputada Talíria Petrone (RJ), também teve seus pronunciamentos desrespeitados por parlamentares em três ocasiões.

— Há uma diferença entre eu e o Nilto Tatto ou o Paulão (deputados do PT que integram a CPI), por exemplo, quando fazemos uma questão de ordem. É nítida a diferença de tratamento. O MPF já entrou com representação (na PGR) pelos casos na CPI, e partiu da repercussão que o machismo e a violência política de gênero enquanto método para impedir que nossa linha política tenha expressão em uma CPI como essa — afirmou a deputada ao Globo.

Na semana passada, o Ministério Público Federal acionou a Procuradoria-Geral da República (PGR) por avaliar que Sâmia Bomfim foi vítima de violência política de gênero durante sessões da CPI do MST. A denúncia cita o episódio em que a parlamentar teve o microfone desligado durante sua fala pelo presidente da comissão, o tenente-coronel Zucco (Republicanos-RS), na abertura dos trabalhos na última semana.

A violência política de gênero é prevista pelo código penal desde 2021. A Lei 14.197/21 alterou o artigo 359, tornando crime sujeito a prisão de 3 a 6 anos os atos de restringir, impedir ou dificultar o exercício dos direitos políticos de uma mulher.

Veja também

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'
DECORO

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara
VOTAÇÃO

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara

Newsletter