Munição que matou vereadora e motorista no Rio foi comprada pela PF, diz TV

A informação, obtida com exclusividade pelo repórter Leslie Leitão, do RJTV, é de que as munições UZZ18 são de dois lotes vendidos pela CBC à Polícia Federal em Brasilia, no dia 29 de dez de 2006

Vereadora do PSOL é executada dentro de carro no centro do RioVereadora do PSOL é executada dentro de carro no centro do Rio - Foto: Mauro Pimentel / AFP

A Perícia da Delegacia de Homicídios identificou a origem das cápsulas encontradas na cena da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Pedro Gomes, de acordo com notícia divulgada no RJTV desta sexta-feira (16). A informação, obtida com exclusividade pelo repórter Leslie Leitão, é de que as munições UZZ18 são de dois lotes vendidos pela CBC à Polícia Federal em Brasilia, no dia 29 de dez de 2006, com as notas fiscais números 220821 e 220822.

Ainda de acordo com o jornal, a munição não tinha sinais de modificações. Marielle morreu com tiros de pistola calibre 9 milímetros.É comum, contudo, desvios de munição comprada por órgãos oficiais. Também é comum que cápsulas sejam reaproveitadas. A Polícia Federal ainda não se pronunciou.

O lote de munição desse caso no Rio é o mesmo usado em agosto de 2015 em Osasco e Barueri, na Grande São Paulo, naquela que é considerada a maior chacina do estado de São Paulo, com 17 mortos. À época, a investigação descobriu que parte das cápsulas pertencia ao lote UZZ-18, comprado pela PF. Neste caso de SP, três policiais militares de SP e um guarda civil foram condenados pela chacina.

Leia também:
Polícia apura participação de segundo carro no assassinato de Marielle
[Galeria] Veja momentos do ato em homenagem a Marielle Franco no Recife


Os investigadores rastreiam o que aconteceu com esses lotes e investigam a possibilidade dessas munições terem sido desviadas. Ainda hoje a Policia Federal e a Polícia Civil devem se pronunciar sobre o assunto.

Repercussão nas redes 
Protestos por todo Brasil foram organizados na última quinta (15), para protestar contra a violência que tirou a vida da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Após a publicação da notícia de que a munição usada para matar Marielle veio de um lote comprado pela Polícia Federal em 2006, internautas no twitter repercutiram a notícia.

@michelpcastro comentou: "Veio da PF a munição,então faz sentido a PM não deixar a PF atuar na investigação". Já @felipelobo demonstrou está convencido de que Marielle foi executada: "O crime tem todas características de execução. Investigações preliminares indicam que o "atirador era experiente e sabia o que estava fazendo. Soma-se a isso a perícia concluir que a munição foi comprada pela PF. A coisa fede cada vez mais".

Veja também

Câmara de Vereadores aprova projeto que proíbe acúmulo de funções de motorista e cobrador
Sem dupla função

Câmara de Vereadores aprova projeto que proíbe acúmulo de funções de motorista e cobrador

Estratégia de defesa de Flávio Bolsonaro une interesses de Lula e de ministros do STF e TCU
Rachadinhas

Estratégia de defesa de Flávio Bolsonaro une interesses de Lula e de ministros do STF e TCU