Na Frente Popular, leu-se 'sinalização clara' de Lula

Governistas anotaram que o ex-presidente nivelou as três pré-candidaturas do PT, citando-as sem maior ênfase no nome de Marília Arraes

Lula e Paulo CâmaraLula e Paulo Câmara - Foto: Divulgação

O aceno ficou nas entrelinhas. Ao menos, integrantes da Frente Popular enxergaram, ontem, nas palavras do ex-presidente Lula, uma "sinalização clara" a favor de uma aliança entre PT e PSB no Estado. Governistas fizeram uma leitura de que, inclusive, Lula nivelou as três pré-candidaturas do PT, citando-as sem maior ênfase no nome de Marília Arraes. Isso foi anotado. "O PT pode voltar a conversar com o PSB, pode conversar com Armando Monteiro, pode ter candidatura própria. Nós temos pré-candidatos. Temos Marília, Odacy (Amorim), José de Oliveira. Não quero precipitar um fato", ponderou Lula em entrevista à Rádio Jornal. Grifou a "relação muito forte" com Eduardo Campos e lembrou ter havido "fissura e problemas" entre PSB e PT. Mas contemporizou: "Tudo isso faz parte do cenário local". E fez um chamamento para que, diante da nova eleição, os partidos decidam se é melhor brigar ou se aliar, pediu que pensem no que é melhor para Pernambuco. "Se é continuar brigando com possível aliado, capaz de construir um programa para o Estado, ou se vai, simplesmente, fazer sozinho eleição, se não vai fazer aliança com ninguém".

O líder-mor do PT pediu "maturidade" na discussão. As declarações de Lula vêm um dia após o prefeito Geraldo Julio comparar o PSB ao PT por não serem da "turma de Temer". As palavras de Geraldo, por sua vez, vieram na esteira das proferidas, à coluna, pelo senador Humberto Costa, que tachou de "meia boca" o discurso de "pessoas que querem ser candidatas do PT" e advertiu que "os verdadeiros adversários nossos são os que fazem o palanque de Temer, onde está aquele pessoal todo da direita histórica, que nunca aceitou nem (Miguel) Arraes". A reaproximação já vinha se desenhando de antes. Ainda em agosto, Lula jantou na casa de Renata Campos, onde teve conversas descontraídas com o governador Paulo Câmara. Pouco antes, Paulo Câmara já havia recebido o ex-prefeito Fernando Haddad. Ontem, o próprio governador assinalou haver "mais convergências do que divergências" entre PT e PSB. E essas convergências vão ganhando contornos públicos.


Um dia atrás do outro
Diante de sua condenação pelo TRF4, Lula vem sublinhando o que o governador Flávio Dino "tem falado e escrito". Realça que ele foi "juiz federal e ele fala que julgamento igual a esse jamais aconteceu no Direito brasileiro". A despeito das defesas que Dino faz do petista, o PCdoB sente a dificuldade de ter "reciprocidade" do PT no Maranhão, uma vez que Dino foi eleito sem o apoio dos petistas.

Pode! > No Maranhão, o PT não apoiou Dino para não melindrar o adversário dele, que era Edison Lobão Filho, do PMDB. Ontem, Lula, que não esconde a "gratidão" que tem por José Sarney, defendeu a possibilidade de o PT fazer aliança com o PMDB este ano.

Resultado > "Não posso aceitar a ideia de que o PMDB todo não pode fazer aliança com o PT, porque, desde 2002, a gente faz aliança com parte do PMDB e vamos fazer aliança política para ganhar eleiçes com quem estiver de acordo com o programa", cravou Lula.

Torcida > Presidente do PP em Pernambuco, Eduardo da Fonte defende uma aliança entre PT e PSB. "O PP, através de mim, defende a entrada do PT na Frente Popular. Tenho defendido em todas as conversas a entrada do PT. É uma forma de unir a esquerda e o PT tem um peso eleitoral bastante razoável em PE", diz o dirigente.

Reforço > Mais 20 promotores vão reforçar o MPPE no Interior. Entre as autoridades que prestigiaram a posse dos novos integrantes, ontem, estavam: João Campos, chefe de gabinete do governador, e Germana Laureano, do Ministério Público de Contas.

Veja também

Miguel Coelho anuncia medidas mais rígidas em Petrolina para combater pandemia

Miguel Coelho anuncia medidas mais rígidas em Petrolina para combater pandemia

Após decisão do presidente do STJ, Queiroz deixa presídio no Rio para cumprir pena em casa
justiça

Após decisão do presidente do STJ, Queiroz deixa presídio no Rio para cumprir pena em casa