Na Índia, Serra diz que comércio com o Brasil pode ser 'triplicado'

Segundo o chanceler brasileiro, há uma expectativa de "estreitamento comercial e de investimento" para o encontro bilateral

Boi de São João percorre a fazenda em cortejo animadoBoi de São João percorre a fazenda em cortejo animado - Foto: Kelvin Andrade/Divulgação

Na chegada da comitiva do governo brasileiro à Índia, na madrugada deste sábado (15), o chanceler brasileiro José Serra disse que o comércio com o país asiático, hoje de US$ 7,9 bilhões, pode ser "triplicado" nos próximos anos.

Serra disse que a balança comercial com a Índia atualmente é "mais ou menos equilibrada" - apesar dos US$ 672 milhões de deficit para o lado brasileiro, ou 8,5% do valor total comercializado - mas que pode ser "muito maior".

"Há um potencial imenso. Se não me engano, [a balança] deve estar entre US$ 7 bilhões e 8,5 bilhões. Isso pode ser duplicado, triplicado ao longo dos anos, com muita probabilidade", afirmou o ministro ao chegar ao hotel da comitiva no pequeno Estado de Goa.

Se triplicado, o comércio com a Índia equivaleria ao do Brasil com a Argentina, que somou US$ 23 bilhões em 2015. Com a China, a balança é de US$ 66 bilhões.

Segundo Serra, há uma expectativa de "estreitamento comercial e de investimento" para o encontro bilateral, que ocorre na segunda-feira (17), na sequência da Cúpula dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

"É um país imenso, que tem um potencial imenso de importação, de investimentos. É algo que interessa muito ao Brasil", afirmou, citando a área agrícola como um setor para os brasileiros venderem e investirem.

O presidente Michel Temer chegou à Índia por volta das 9h30 (1h em Brasília) deste sábado, acompanhado de Serra, do ministro Blairo Maggi (Agricultura) e da primeira-dama, Marcela. O avião presidencial fez duas paradas para abastecimento -nas ilhas Canárias e na Grécia.

O ministro Marcos Pereira (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), que também acompanhará Temer na cúpula, já estava na Índia para encontros dos BRICS durante a semana.

Neste sábado, Temer terá um almoço com sete representantes de empresas que participarão da cúpula empresarial dos BRICS - Vale, Marcopolo, Stefanini (softwares), Perto (caixas eletrônicos), Weg (engenharia elétrica e automação) e do Banco do Brasil.

À noite, ele participa de um jantar oferecido pelo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, a Temer e outros chefes de Estado do grupo - Xi Jinping (China), Vladimir Putin (Rússia) e Jacob Zuma (África do Sul).

PROBLEMAS MACROECONÔMICOS

O chanceler brasileiro reconheceu que os "problemas macroeconômicos" enfrentados por Brasil e Rússia "acabam influenciando o desempenho agregado" dos BRICS, mas observou que, juntos, os cinco países têm um peso "muito grande" na economia mundial.

"Esse é um daqueles momentos decisivos para se avançar, no sentido de conseguir cooperar com a recuperação da economia mundial", disse. "Se a economia mundial não caminha, os BRICS não caminham e nós não caminhamos." O Brasil, contudo, foi o país do BRICS que teve o pior desempenho no PIB, caindo 3,8% em 2015. A Índia cresceu 7,3% no mesmo período, a China, 6,9%.

Serra se disse ainda "favorável" à criação de uma agência dos BRICS de classificação de risco -que, segundo o grupo, avaliaria os países em desenvolvimento de uma forma "mais justa" do que as demais.

"Eu concordaria, mas não posso dizer que seja uma posição do governo brasileiro", afirmou. O Ministério da Fazenda vê com reservas a proposta indiana, já que ainda é preciso definir pontos importantes, como a questão de credibilidade do trabalho da agência -e de sua independência dos governos dos BRICS. Segundo o chanceler brasileiro, porém, o tema "não está na agenda para ser deliberado" nesta cúpula.

Veja também

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP
são paulo

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno
SÃO PAULO

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno