“Não admitiremos perdas sociais”, diz Geraldo Julio

Prefeito do Recife, Geraldo Julio, falou sobre os desafios da crise, durante a cerimônia de posse

João Campos pretende instalar uma comissão externa para acompanhar os danos causados pelo vazamento de óleo no litoral João Campos pretende instalar uma comissão externa para acompanhar os danos causados pelo vazamento de óleo no litoral  - Foto: Rodolfo Loepert

 

Os mais de 63,4 mil candidatos que venceram as eleições de outubro de 2016 tomaram posse, ontem. Prefeitos e veradores de 5.568 municípios terão, a partir de agora, o desafio em comum de lidar com a grave crise econômica do País. Além de cofres vazios, os gestores encontrarão sério déficit orçamentário, agravado ainda mais pela entrada em vigor da PEC do Teto, que congela os gastos públicos por vinte anos. Um dos 1.384 reeleitos, o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), está ciente de sua responsabilidade e preparou uma reforma administrativa que reduzirá o números de secretarias de 24 para 15. Em seu discurso de posse, defendeu a inovação como uma saída e cobrou respostas do Governo Federal que vão além de cortes nas áreas sociais.
"O caminho do ajuste fiscal não poderá sacrificar o mais fraco. Não vamos admitir perda de conquistas sociais e fechamento de serviços em nome da recuperação do País", afirmou. O prefeito ainda fez questão de distribuir gestos aos aliados, em especial, ao governador Paulo Câmara (PSB), presente no evento. O gestor colocou a parceria entre eles como essencial para enfrentar as dificuldades do cenário fiscal e de gestão.
Hoje, Geraldo anuncia e empossa o novo secretariado municipal. Os nomes deverão ser anunciados à Imprensa pela manhã e os axuliares serão empossados, às 16h, no Museu da Cidade do Recife, no Forte das Cinco Pontas. O chefe do Executivo municipal passou o fim de semana em articulações para compor a sua equipe, após o anúncio de reforma que cortou nove pastas da sua administração.
Durante a posse do prefeito eleito, o clima era de especulação e ansiedade entre os legisladores, principalmente, porque não havia expectativa de que algum legislador fosse convocado para a equipe até ontem à noite. O secretário de Governo, Sileno Guedes (PSB), não deverá mudar de função, já Fred Oliveira poderá ser deslocado para uma assessoria especial, após a extinção da sua pasta (Relações Institucionais). O gestor não deverá mexer na pasta de Saúde, comandada pelo técnico Jaílson Correia.

Segurança Urbana deverá permanecer sob o comando do PMDB e é esperada a permanência de Murilo Cavalcanti. Já o PCdoB poderá ficar com Cultura e o nome de Cida Pedrosa é ventilado.
No terceiro escalão, a secretária municipal de Desenvolvimento, Berenice Andrade, poderá ir para a Companhia de Serviços Urbanos do Recife (Csurb). Já a medalhista olímpica Yane Marques pode ser a surpresa na secretaria-executiva de Esportes. Na pasta de Turismo, Esporte e Lazer, é forte o nome de Ana Paula Vilaça. Outra mudança deverá ser em Educação, onde Geraldo Julio quer um nome de perfil técnico.

 

Veja também

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula
STF

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula

Inauguração por Bolsonaro de obra inacabada no AM vira ato em desagravo a Pazuello, alvo da CPI
CPI da Covid

Inauguração por Bolsonaro de obra inacabada no AM vira ato em desagravo a Pazuello, alvo da CPI