'Não cabe a mim dar explicação', diz Moro sobre assessor de Flávio Bolsonaro

Moro afirmou que é inapropriado, em sua posição, fazer comentários sobre casos concretos

Ministro Sérgio MoroMinistro Sérgio Moro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, defendeu nesta segunda-feira (10) que sejam esclarecidos os fatos relacionados ao relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que aponta movimentação financeira atípica de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Questionado por repórteres sobre o tema, Moro afirmou que é inapropriado, em sua posição, fazer comentários sobre casos concretos. "Eu, na verdade, fui nomeado para ser ministro da Justiça. Não cabe a mim dar explicação sobre isso", disse.

Na sexta-feira (7), o ex-magistrado se esquivou de comentar o assunto, ao fim de uma entrevista coletiva em Brasília. Ao ser questionado, apenas acenou um adeus e continuou a andar para ir embora.

O presidente eleito afirmou neste domingo (9) que Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho, deve explicações sobre as movimentações. O Coaf citou repasses entre Fabrício e outros assessores do senador eleito. Questionado se vê isso com naturalidade, Bolsonaro disse: "Ele tem que explicar, pode ser, pode não ser".

Leia também:
Onyx Lorenzoni levanta dúvidas sobre a atuação do Coaf
Relatório do Coaf também cita ex-servidora de Bolsonaro
Coaf aponta movimentação atípica de ex-assessor de Flávio Bolsonaro
Moro anuncia nomes para comandar Coaf e Senad

Ainda assim, o futuro presidente sugeriu que foram baixos os valores transferidos entre os assessores , ressaltando que as movimentações mais altas aconteceram com a mulher e as duas filhas. "Um ao longo de um ano transferiu R$ 800. O outro transferiu R$ 1.500, poxa."

As informações fazem parte do relatório do Coaf da Operação Furna da Onça, que prendeu dez deputados estaduais do Rio de Janeiro. O MPF (Ministério Público Federal) solicitou ao órgão de controle financeiro os casos de movimentação atípica envolvendo funcionários da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Os dados sobre o policial militar chamaram a atenção por, entre outros motivos, registrar "movimentações em espécie realizadas por clientes cujas atividades possuam como característica a utilização de outros instrumentos de transferência de recursos".

A movimentação de R$ 1,2 milhão por meio de pequenos valores é o método mais popular de lavagem de dinheiro, mas não é automaticamente um crime. A prática só se torna crime de lavagem se os recursos tiveram origem ilícita.

Veja também

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia
Polícia Federal

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin
Covaxin

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin