Política

Não coube tudo em 2016 e 2017 nasce velho

Foi uma aposta de Temer, em seu pronunciamento, que "2017 será o ano em que derrotaremos a crise". A conferir

Outra medida anunciada pela parlamentar será ir à promotoria de Meio Ambiente, do Ministério Público do Estado, para verificar se o projeto ainda pode ser modificado Outra medida anunciada pela parlamentar será ir à promotoria de Meio Ambiente, do Ministério Público do Estado, para verificar se o projeto ainda pode ser modificado  - Foto: Divulgação

O primeiro semestre de 2017 pode dar saudade de 2016. É o que apostam alguns membros do Congresso Nacional. O ano em que escancarou-se o "Setor de Operações Estruturadas" da Odebrecht, vulgo "departamento de propinas", não foi suficiente para comportar todo o maremoto, que desaguou no impeachment de uma presidente da República, no afastamento e cassação de um presidente da Câmara Federal e no quase afastamento de um presidente do Senado. Esse brevíssimo resumo dos fatos coube em menos de 366 dias, bem menos. E ainda restou um passivo, arrastado para o novo ano, que já nasce velho. Nos corredores da Câmara Federal e do Senado, a virada se dá sob expectativa da delação premiada de Eduardo Cunha, a qual, para muitos, significa que nada está tão ruim que não possa piorar. No ano em que o legislativo apareceu judicializado e o judiciário politizado, ex-auxiliares de Dilma Rousseff acabaram absorvidos pela gestão Michel Temer, que, em seis meses, perdeu seis ministros. A Reforma da Previdência acabou empurrada para o ano que entra, o qual, em tese, deveria servir de palco para presidenciáveis, cotados para 2018. No entanto,
pode não interessar a eles tanta vitrine, no momento que estão, desde já, no mesmo barco, capaz de naufragar a qualquer hora, resultando apenas
em terra arrasada. A economia segue carecendo de confiança em cenário desfavorável. E um dos principais motes das críticas disparadas contra a ex-presidente Dilma Rousseff, a falta de relação com o Congresso, é ponto superado pelo atual presidente, Michel Temer, que, no entanto, já enfrenta críticas, exatamente, por dar atenção
demais ao Congresso em detrimento de governadores e prefeitos. Se tem o controle congressual, Temer segue apostando que "2017 será o ano em que derrotaremos a crise". E a esperança continua sendo a última que morre.

Foi uma aposta de Temer, em seu pronunciamento, que "2017 será o ano em que
derrotaremos a crise". A conferir

Ficou para 2017
Três secretários da Prefeitura do Recife almoçavam juntos, ontem, no Restaurante Mercearia do Braz, na Boa Vista. Estavam à mesa a se despedir de 2016. Terminaram o ano na condição de demissionários, assim como demais titulares de pastas da gestão Geraldo Julio, que entregaram carta pondo os cargos à disposição. Mesmo assim, confraternizavam a amizade e comemoravam a amizade conquistada na gestão.

Listão > O trio contava com um dos cabeças da reforma administrativa, o titular de Planejamento Urbano, Antônio Alexandre, além do secretário de Administração, Marconi Muzzio, e do secretário de Segurança Urbana, Murilo Cavalcanti.
Tortura > O ano para o grupo e para demais secretários só fecha mesmo na segunda-feira, quando o prefeito anuncia e dá posse ao secretariado. Até lá, o suspense ainda ronda boa parte dos nomes da equipe, que virarão o ano sem ter certeza se permanecerão nos cargos.
Resultado > Segundo circula nos corredores da PCR, Marconi Muzzio, cuja pasta de Administração foi fundida, transformando-se em Planejamento e Gestão de Pessoas, deve assumir essa estrutura, resultante da fusão.
Cofre > A outra sinalização é de que Alexandre Rebêlo deve assumir a pasta de Finanças, até então, ocupada por Ricardo Dantas.

Passaporte 1 > Já a Secretaria de Turismo do Recife, deve ficar sob o comando da atual presidente da Empetur, Ana Paula Vilaça. A pasta era comandada por Camilo Simões, que faleceu em outubro, ainda durante a campanha eleitoral, vítima de infarto.
Passaporte 2 > A ida de Ana Paula para a PCR é um dos pontos da reforma que foram alinhados com o governador Paulo Câmara, que fará a concessão, como já fez para administração de Olinda.

Benção > Murilo Cavalcanti é o nome que o PMDB abençoa para permanecer na PCR e a manutenção da pasta de Segurança Urbana, que ele comanda, foi lida como indicativo de que não haverá alteração.

Veja também

TSE: Coronel é excluído da equipe de inspeção a sistemas de votação por espalhar fake news
Urnas eletrônicas

Coronel é excluído da equipe de inspeção a sistemas de votação por espalhar fake news

Em manifesto em defesa da democracia, OAB diz confiar no sistema eleitoral brasileiro
ELEIÇÕES 2022

Em manifesto em defesa da democracia, OAB diz confiar no sistema eleitoral brasileiro