No RS, Jaques Wagner diz que não teria 'tesão' de substituir Lula na eleição

Wagner está em Porto Alegre para acompanhar a mobilização a favor de Lula antes do julgamento no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, nesta quarta-feira

Jaques Wagner: 'Na verdade, Ciro já declarou apoio. O que a gente queria era algo mais contundente'Jaques Wagner: 'Na verdade, Ciro já declarou apoio. O que a gente queria era algo mais contundente' - Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

Cotado para assumir a candidatura presidencial do PT se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva for barrado na Lei da Ficha Limpa, o ex-ministro e ex-governador da Bahia Jaques Wagner diz que não teria "tesão" de ser candidato "nessas circunstâncias".

Leia também
Em ato em Porto Alegre, Dilma diz que Lula 'não é um radical'
Julgamento de Lula é "evento natural", diz Temer na Suíça
Acusado de receber propina da OAS, Lula será julgado em 2ª instância


Wagner está em Porto Alegre para acompanhar a mobilização a favor de Lula antes do julgamento no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, nesta quarta-feira (24).
Em discurso em um evento de petistas e aliados na Assembleia Legislativa gaúcha nesta terça, ele afirmou que não há "plano A, B ou C". "Apenas plano L, Lula presidente."

À reportagem Wagner disse que debater uma alternativa a Lula neste momento seria "burrice", desperdício de energia e até mesmo admitir "culpa". Também falou que nunca conversou com o ex-presidente a respeito dessa hipótese e que um eventual plano emergencial "não será discutido com antecedência." "Se houver a interdição [da candidatura Lula] transitada em julgado, vamos ter que achar um candidato ou apoiar um candidato", disse.

"Meu nome é lembrado porque sou do quarto colégio eleitoral [do país]. Ganhamos três [eleições], o Rui [Costa, governador da Bahia] também. Assim como lembram o nome do [Fernando] Haddad".

Só haverá troca de candidato, disse ele, se "o advogado disser: 'Ó, não tem mais caminho'." "Vamos ter que reunir, emergencialmente, e dizer: ó, vai ser fulano. Aí tem a naturalidade de nomes que estão aparecendo." Ele citou como possibilidade o governador do Piauí, Wellington Dias.

Sérgio Moro
Aos militantes petistas Wagner criticou o juiz Sergio Moro e disse que o Judiciário passou a ser "líder de torcida organizada". "Tenta fazer o time deles [adversários] ganhar sem que o nosso entre em campo." A sentença de Moro, disse, já foi "pra lá de desmontada" no mundo todo e representa uma "vergonha para o Brasil."

Wagner também defendeu mais mobilização nas ruas. "Democracia a gente constrói nas ruas, na praça, na fábrica, na escola, na igreja, Quebrando as portas, como disse o [líder sem teto Guilherme] Boulos, ou sem quebrar as portas. Aí depende do jogo, a gente não pode antever."

Questionado sobre o tom das declarações de lideranças petistas nas últimas semanas -a presidente do partido Gleisi Hoffmann chegou a falar que seria preciso "matar gente" para prender Lula-, Wagner falou que houve "agressão moral" contra o grupo político e rejeitou defender "agressão física".

"As pessoas estão sendo violentadas o tempo todo, acho que o Lula foi. Isso vai gerando indignação. Mas eu sou contra."

Candidatura mantida
O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) também participou do evento em Porto Alegre. Disse que a candidatura de Lula está mantida qualquer que seja o resultado do julgamento e que na Justiça Eleitoral será um outro processo. O secretário-geral do PT, Romênio Pereira, falou em já montar um grupo de trabalho da eleição e que o partido está aberto a discutir alianças em todos os Estados, ainda que o PT possa ter que "ir sozinho".

Veja também

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação
Política

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios
Coronavírus

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios