Norte e Nordeste terão olhar especial do nosso governo, afirma Bolsonaro

Presidente eleito disse que naturalidade de ministro é detalhe e que indicações consideraram aspectos técnicos

Presidente eleito, Jair BolsonaroPresidente eleito, Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/Instagram

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que adotou critérios técnicos na escolha de seus ministros. Ele criticou a Folha de S.Paulo por publicar reportagem relatando que, pela primeira vez na história da República do Brasil, não haverá representante nascido no Norte ou Nordeste no primeiro escalão quando ele tomar posse, dia 1º.

"A Folha de S. Paulo continua a fazer um jornalismo sujo e baixo nível. Agora insinuam falta de representatividade das regiões Norte e Nordeste nos ministérios, como se nascer em uma região se traduzisse em competência e não nascer significasse descaso e abandono. Vão quebrar a cara!", afirmou nas redes.

"Divulguei as indicações de ministros em minhas redes e ficou bem claro que o critério para as escolhas foi técnico. Não saí perguntando a região de nascimento, cor da pele ou sexualidade de cada um, já que isso é irrelevante para as demandas de nosso país", prosseguiu.

Leia também:
'E o Nordeste, presidente Jair Messias Bolsonaro?'
Nordeste precisa unificar a pauta a ser levada a Bolsonaro
Governadores do Nordeste fazem convite a Bolsonaro
Governadores do Nordeste voltam a Brasília em busca de recursos


"Também não perguntei o local de nascimento para minha esposa, filha de nordestino, nem para os nordestinos que trabalham e trabalharão diretamente comigo na Presidência. Se defendemos igualdade, esses detalhes são completamente ínfimos."

Para concluir, o presidente eleito afirmou "que as regiões Norte e Nordeste terão olhar especial do nosso governo, principalmente pelo grande potencial econômico que possuem".

Veja também

Reserva de R$ 1,6 bilhão pelo governo à Covaxin já provocou dano à saúde, diz procuradora
Investigação

Reserva de R$ 1,6 bilhão pelo governo à Covaxin já provocou dano à saúde, diz procuradora

Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria
Política

Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria