Nos EUA, Mourão é perguntado se Bolsonaro é realmente um democrata

A reunião aconteceu no gabinete do republicano Marco Rubio, principal voz no Congresso dos EUA em assuntos sobre América Latina

Vice-presidente Hamilton MourãoVice-presidente Hamilton Mourão - Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Em uma reunião rápida com senadores americanos em Washington, o vice-presidente Hamilton Mourão precisou defender Jair Bolsonaro e responder se o presidente brasileiro é realmente um democrata.

Logo no início de um encontro com quatro senadores dos EUA, Mourão foi questionado e respondeu ao senador democrata Bob Menendez, de oposição a Donald Trump, que Bolsonaro respeita a Constituição e o sistema eleitoral do país.

"Perguntaram se o presidente Bolsonaro realmente é um democrata e deixei claro que ele é um homem que está pensando nas próprias gerações, e não nas próximas eleições, e que ele respeita totalmente nossa Constituição, nossas instituições e o sistema que temos no Brasil", afirmou Mourão.

Leia também:
Aprovação de Bolsonaro alcança 62% entre seus seguidores nas redes
Após encontro com Bolsonaro, PR e Solidariedade defendem alterar texto


A reunião aconteceu no gabinete do republicano Marco Rubio, principal voz no Congresso dos EUA em assuntos sobre América Latina e um grande defensor da aproximação com o Brasil. Rubio, que faz parte da bancada anti-castrista, defende uma abordagem mais dura à ditadura de Nicolás Maduro, na Venezuela.

Menendez, por sua vez, é do Partido Democrata, mas tem se alinhado a algumas posições de Rubio em relação à crise no país latino-americano.

O senador democrata, porém, é contrário a uma intervenção militar na Venezuela, assim como Mourão.

E foi justamente esse assunto mais uma vez o tema principal da conversa de Mourão nos EUA.

Segundo o vice-presidente, Rubio não pediu nenhum tipo de endurecimento da postura do Brasil em relação a Maduro e também "não reclamou" quando Mourão afirmou que, ao Brasil e aos EUA, na sua avaliação, cabe apenas fazer pressão política e econômica -a militar é tarefa das Forças Armadas venezuelanas.

"Expresso a nossa posição de manter pressão política e econômica e a questão das Forças Armadas venezuelanas terem condição de neutralizar as milícias e os coletivos por lá. Ele [Rubio] não tocou em nenhum assunto diferente do que falei aqui, não abordou nenhum tipo de opção além dessas que falei", disse Mourão.

O general se reuniu nesta segunda-feira (8) com Mike Pence, vice-presidente americano, também para tratar de Venezuela, e descartou qualquer tipo de ação além da ajuda humanitária na fronteira.

"Nenhum deles reclamou", repetiu Mourão ao ser questionado sobre a postura ser bem mais amena do que aquela defendida por Trump e Rubio, por exemplo.

Desta vez, Mourão afirmou que a comunicação entre militares brasileiros e venezuelanos foi tratada na conversa com Rubio -e também com Pence. No entanto, após o encontro com o vice na segunda, o general havia dito a jornalistas que isso não tinha sido discutido.

"Essa pergunta tinha sido feita por Pence e sempre coloco para ele que o ministro da Defesa venezuelano tem algum tipo de contato com o nosso ministro e temos oficiais mais novos dos dois países que fizeram curso juntos e essa turma se comunica no canal informal".

Questionado se não estava se contradizendo, Mourão afirmou: "Foi tratado [com Pence] em alto nível e não nesse nível menor".

Após a reunião desta terça, Rubio afirmou, via assessoria, que vai continuar trabalhando "com nossos aliados no Brasil para restabelecer a democracia na Venezuela".

Ainda de acordo com Mourão, os senadores conversaram sobre deixar de lado a retórica e intensificar de fato o comércio dos EUA com o Brasil, a entrada do país na OCDE e a base de Alcântara -resultados da visita de Bolsonaro a Washington, em março.

Antes de ir ao Congresso, Mourão fez musculação e visitou o National Museum of the American Indian, acompanhado pelo ajudante de ordens e seguranças.

O encontro de Mourão com parlamentares tanto do Partido Republicano como do Partido Democrata foi visto como mais um movimento de contraponto a Bolsonaro.

Em março, o presidente solicitou um encontro com a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, líder de oposição a Donald Trump. A reunião, porém, não aconteceu, porque o Congresso estava em recesso, segundo o gabinete de Pelosi.

Autoridades americanas afirmam que o roteiro de Mourão está sendo observado com atenção. Isso porque empresários e integrantes do governo dos EUA consideram pouco comum um vice viajar ao país tão pouco tempo depois de um presidente ter passado por lá.

No bipartidarismo americano, é desejável o diálogo com ambos os lados para que se tenha uma relação política e diplomática eficaz.

Veja também

Investigado, Flávio tenta aproximar Bolsonaro de juiz evangélico por vaga no STF
Supremo

Investigado, Flávio tenta aproximar Bolsonaro de juiz evangélico por vaga no STF

Câmara instala comissão para reformar Lei da Lavagem de Dinheiro
Política

Câmara instala comissão para reformar Lei da Lavagem de Dinheiro