Novo delator cita entrega de propina a Renan, diz revista

Delator trabalhava para Sérgio Machado, que presidiu a Transpetro e fez uma delação considerada devastadora para a cúpula do PMDB

 Em Defesa de Cristo Em Defesa de Cristo  - Foto: Divulgação

Um novo delator da Operação Lava Jato, apontado como um dos distribuidores de propina decorrente de contratos da Transpreto para a cúpula do PMDB, disse ter entregue dinheiro ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), segundo a revista "Veja" desta semana.

O advogado e empresário Felipe Parente, que fechou um acordo de colaboração com o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, afirmou ainda que levou dinheiro para uma assessora de confiança do senador Jader Barbalho (PMDB-PA).

O delator trabalhava para Sérgio Machado, que presidiu a Transpetro e fez uma delação considerada devastadora para a cúpula do PMDB, por conter gravações de Renan, do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente José Sarney. Numa delas, Jucá fala que é preciso fazer um pacto para "estancar a sangria" da Lava Jato.

Segundo Machado, Renan recebeu subornos que somam R$ 32 milhões entre 2004 e 2014. Até 2007, quem fazia as entregas a Renan, segundo Machado, era Felipe Parente.

Machado dirigiu por 12 anos a Transpetro, uma subsidiária da Petrobras, por indicação do PMDB do Senado.

O delator afirmou que entregava propina para uma assessora de Barbalho chamada Iara. Segundo os investigadores, trata-se de Iara Jonas, que trabalha com o senador há 22 anos.

Ao ver uma foto da funcionária, Parente reconheceu-a como a destinatária do suborno. Iara disse à revista não se lembrar de Parente.

Segundo a revista, o chamado "homem da mala" do PMDB era organizado, anotava todas as entregas que fazia e os locais do encontro.

Machado disse que Jader recebeu R$ 4,2 milhões, dos quais R$ 3 milhões foram repassados em espécie.

Já Sarney, de acordo com Machado, teria sido agraciado com R$ 18,5 milhões desviados da Transpetro -o que ele nega enfaticamente. Jucá e o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) teriam recebido R$ 21 milhões e R$ 850 mil, respectivamente.
Os senadores e o ex-presidente Sarney dizem não conhecer Parente e negam com ênfase ter recebido recursos.

Renan disse à "Veja" que a possibilidade de acharem impropriedades em suas contas eleitorais e pessoas "é zero". Já Sarney afirmou: "Não conheço Felipe Parente. O Sérgio não teria coragem de falar isso comigo".

Veja também

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação
Política

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios
Coronavírus

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios