Novo PGR terá de enfrentar de mensagens da Lava Jato a inquérito das fake news no STF

Augusto Aras ficará no cargo de novo procurador-geral da República até setembro de 2021

Augusto Aras será o novo Procurador-Geral da RepúblicaAugusto Aras será o novo Procurador-Geral da República - Foto: Confederação Nacional de Seguradoras/Divulgaç

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (5) e ainda sujeito a aprovação do Senado, Augusto Aras ficará no cargo de novo procurador-geral da República até setembro de 2021 e deve enfrentar uma série de desafios no STF (Supremo Tribunal Federal), tribunal no qual atuará.

Um deles é o inquérito das fake news instaurado em março por Dias Toffoli, presidente do Supremo. O objeto da investigação não é totalmente conhecido -pois o caso está em sigilo e nem a PGR teve acesso- e há a possibilidade de que venha a atingir membros do MPF (Ministério Público Federal).

As mensagens trocadas entre procuradores da Lava Jato, divulgadas pelo site The Intercept Brasil e outros veículos também devem elevar a pressão sobre o novo PGR. Ministros do Supremo já cobram, aberta ou reservadamente, providências da chefia da instituição sobre os procuradores de Curitiba, especialmente Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato.

Leia também:
Bolsonaro ignora lista tríplice e diz a Augusto Aras que o indicará à PGR
Equipe da Lava Jato na PGR pede demissão coletiva em protesto contra Dodge
Bolsonaro diz que novo PGR deve ser um homem e será indicado até quinta-feira 

Outras questões polêmicas devem ser apreciadas nos próximos meses no Supremo, como o fundo bilionário que a Lava Jato queria criar -hoje suspenso por Alexandre de Moraes- e a rescisão do acordo de delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, da JBS. A atuação no STF costuma testar a aproximação entre a PGR e o Planalto.

Decretos e projetos de lei de interesse do governo vão com frequência para o tribunal, o que deve acontecer, por exemplo, com eventuais normas que flexibilizem porte e posse de armas, promessa de campanha de Bolsonaro.

Direitos fundamentais e as questões ambiental e indígena estão na pauta de julgamentos da corte na segunda metade deste semestre, quando o novo procurador-geral já tiver assumido. A postura do chefe do MPF nesses casos poderá indicar se ele vai evitar ou não conflitos com o governo.

A investigação sobre o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho mais velho do presidente da República, será outro teste. O Supremo deve discutir em novembro a decisão de Toffoli que suspendeu, temporariamente, o inquérito sobre Flávio no MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro).

Veja também

Eleição tem recorde de candidatas e, pela 1ª vez, mais negros que brancos
Brasil

Eleição tem mais candidatas e, pela 1ª vez, mais negros que brancos

Mendonça abre campanha à Prefeitura do Recife com visita a comunidade carente e adesivaço no comitê
Eleições 2020

Mendonça abre campanha à Prefeitura do Recife com visita a comunidade carente e adesivaço