'Nunca ameacei ninguém', diz Bolsonaro ao justificar a entrega de vídeo de reunião com Moro

Questionado por jornalistas, o presidente disse que tem "zero preocupação" em relação ao vídeo

Presidente da República, Jair BolsonaroPresidente da República, Jair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (11) que entregou ao STF (Supremo Tribunal Federal) o vídeo da reunião citada por Sergio Moro em seu depoimento à Polícia Federal, na semana passada, para comprovar que "nada deve" e que "não ameaçou ninguém".

As declarações foram dadas no fim da tarde desta segunda, ao chegar ao Palácio da Alvorada. Questionado por jornalistas, o presidente disse que tem "zero preocupação" em relação ao vídeo e que por isso decidiu entregá-lo na íntegra.

Leia também:

Bolsonaro diz que gastou R$ 739 mil do cartão corporativo com resgate em Wuhan

Bolsonaro terá semana decisiva em caso que pode levar ao seu afastamento 

"Pô, você tá de brincadeira comigo, né?", disse o presidente, após ser questionado sobre o que teria dito no vídeo, para depois completar:

"A fita vai ser extraída, tudo o que foi falado no tocante ao ex-ministro Sergio Moro vai ser extraído e vai ser usado no inquérito, tá OK? Eu nunca ofendi ninguém, nunca agredi ninguém, nunca ameacei ninguém", afirmou o presidente.

Bolsonaro completou que preferiu entregar o vídeo para restabelecer a verdade sobre o episódio.

"Eu podia falar 'não tem mais o vídeo'. Não tenho a obrigação de ter o vídeo", disse o presidente. "Mas resolvi não falar [que não teria o vídeo], assumir a verdade acima de tudo", completou.

Bolsonaro disse esperar que as autoridades judiciárias apenas extraiam a parte do vídeo referente à acusação de que pressionou o ex-ministro. O presidente afirmou que a maior parte da reunião foi destinada a discutir temas de política internacional e que sua divulgação poderia causar embaraços.

"Agora é justo expor o que nós falamos sobre política externa, assunto de segurança nacional, tornar público isso aí? Aí não dá, complica a situação", disse o presidente.

O ex-juiz da Lava Jato disse aos investigadores que, na reunião, o presidente teria manifestado o desejo de trocar o superintendente da PF no Rio de Janeiro, o que se concretizou após a saída de Maurício Valeixo da chefia da Polícia Federal.

O ex-ministro acusou, ainda, o presidente de cobrar o acesso a informações de investigações em curso e a relatórios de inteligência, o que não é permitido pela legislação.

Segundo relatos feitos à reportagem, no início do encontro, ministros presentes fizeram críticas tanto ao Supremo quanto ao Congresso. O comentário foi o de que o
STF exagerou ao ter aberto, no dia 21, um inquérito para apurar a organização de protesto promovido em Brasília com bandeiras contra a democracia, do qual Bolsonaro participou. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

TSE deve comprar 176 mil urnas para eleições de 2022
Justiça Eleitoral

TSE deve comprar 176 mil urnas para eleições de 2022

Chefe da PF do AM que será trocado é citado como 'alvo a ser abatido' em conversa de investigados
Política

Chefe da PF do AM que será trocado é citado como 'alvo a ser abatido' em conversa de investigados