"O ano de 2017 ainda é uma interrogação", diz Paulo Câmara

Sobre as temidas delações da Odebrecht, ele garante segurança nas parcerias fechadas pelo Governo do Estado com a empresa e se mostra tranquilo diante do cenário de incertezas.

Confira as principais manchetes de hojeConfira as principais manchetes de hoje - Foto: Divulgação

 

Alçado ao comando do Governo do Estado em meio a crise econômica, o governador Paulo Câmara (PSB) manteve o tom sereno e descontraído em entrevista à Folha de Pernambuco. O gestor falou sobre as dificuldades enfrentadas e ponderou que 2017 ainda é um ano de incertezas. Após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o chefe do Executivo revela que o presidente Michel Temer (PMDB) soube dar respostas mais rápidas, mas que ainda precisa recuperar a confiança do País. Sobre as temidas delações da Odebrecht, ele garante segurança nas parcerias fechadas pelo Governo do Estado com a empresa e se mostra tranquilo diante do cenário de incertezas.

Pacto Pela Vida
O Pacto é uma política muito bem concebida. Hoje, o Estado é totalmente dividido por áreas de segurança. Cada área tem seus responsáveis, seus indicadores, tem suas metas. Eu, inclusive, intensifiquei minha presença nas reuniões. Eu participava uma vez por mês. Agora, estou participando, praticamente, toda semana, toda quinta-feira. E os diagnósticos são muito precisos. A política (do Pacto Pela Vida), em si, é muito bem concebida, muito bem trabalhada. Ela não envolve só segurança pública, ela envolve outras questões que também estamos enfrentando, que são (novas) vagas nos presídios. Estou construindo agora, devo começar a entregar em 2017. Isso envolve tratamento de dependentes químicos, envolve ações mais parceiras com os municípios, que é outra dificuldade, porque a crise também chegou nos municípios.
Recuperação econômica
O ano de 2017 ainda é uma interrogação. Esperamos que seja um ano que haja uma reversão da curva de recessão, que já vem em dois anos seguidos. O que falta no Brasil é confiança, precisamos de um ambiente de mais confiança. A estabilidade política não existe e isso afeta. Para a economia, isso também é um fator. Para a economia, expectativas valem tanto quanto os outros componentes de consumo, de investimento, gasto, exportação e importação. Enquanto isso não passar, fica difícil vislumbrar um crescimento sustentável ano a ano. Vai ser um ano importante para a retomada da confiança.
Impostos
Não tenho mais como aumentar os impostos, os movimentos que fizemos em 2015 foram o máximo que podíamos exigir das empresas e dos nossos contribuintes.
Saída do DEM e PSDB do governo
Fomos muito transparentes com o DEM e o PSDB. Entendíamos que a população não ia compreender bem essa situação: de um lado falar bem (governo) e do outro falar mal (prefeitura). Temos alianças com o PSDB em muitos municípios pernambucanos, mas no âmbito do Estado houve um certo desconforto e eu decidi fazer desse jeito. Tomamos aquela decisão que, no meu entendimento, foi acertada. A Prefeitura do Recife é um reflexo do Governo do Estado.
Relação do PSB e Temer
Fui sempre a favor de ajudar o governo Temer sem cargos. Agora, nós temos o ministro Fernando Filho (Minas e Energia) que está fazendo um bom papel e não há porque mudar agora e nem porque ser hostil com o governo Temer. O Brasil precisa dar certo. O Brasil não dando certo, quebram os estados, quebram os municípios e as empresas. Não podemos torcer contra o Brasil.

Delação da Odebrecht
Tudo que acompanhei, seja como secretário, seja como governador, com essas empresas que estão sendo denunciadas, não houve, por parte do governo de Pernambuco nenhum benefício. Então, o que vier para Pernambuco será fato novo que eu desconheço. A questão da Arena, eu estou totalmente tranquilo, porque acompanhei todas as etapas e os órgãos de controle também. O Tribunal de Contas do Estado (TCE) aprovou toda a questão até a assinatura do contrato. Tanto é que o que está sendo questionado agora é a execução e não o contrato que, por sinal, rescindimos sem pagar nada, é pagina virada. Porque nós não pagamos nada da PPP e rescindimos sem multa. E o que está sendo questionado agora é a aceleração da obra, o que é até uma coisa incongruente, porque se estão alegando que houve superfaturamento, mas não bate.

Promessas de campanha
Eu tenho plena convicção de que tudo que apresentei em minha campanha continua sendo muito válido. A gente tem buscado fazer os ajustes e estou muito consciente do meu papel. Tenho certeza que vamos enfrentar um ano difícil e que vamos precisar, mais uma vez, de todos os pernambucanos, do Governo Federal, das parcerias com os municípios.
Governo Dilma x Governo Temer
O governo Temer está destravando coisas que são importantes, ele liberou recursos para adutora do Agreste, quando o governo Dilma não liberou nada. É só ver os empréstimos que estão correntes. É só ver o que ele destravou. São investimentos que poderiam ter sido destravados lá atrás.

Governo Temer
Quando ele (Temer) esteve aqui eu disse a ele "circule". Tem muito o que se ver, muito para se mostrar e trabalhar. Ele já veio a Pernambuco, Ceará e Alagoas, espero que continue a vir e continue a liberar os recursos. Eu vou sempre cobrar do Governo Federal, principalmente, essa questão das obras hídricas. É só vir ao Nordeste para ver é preciso muito esforço para melhorar a qualidade de vida das pessoas no interior. Para isso, basta concluir essas obras. O Governo Federal tem a responsabilidade de trazer a estabilidade para o País. Não é fácil, mas é ele quem dá a ressonância para os investidores terem confiança no País. O governo tem que ter uma politica de divisão de recursos que priorize aquilo que é importante.

 

Veja também

Acusado de rifar Temer, Pacheco busca sair da sombra de Alcolumbre
Senado

Acusado de rifar Temer, Pacheco busca sair da sombra de Alcolumbre

Tebet modulou postura independente e combativa para romper resistências
Senado

Tebet modulou postura independente e combativa para romper resistências