'O Exército não matou ninguém, não', diz Bolsonaro sobre morte de músico no Rio

Presidente afirmou que acusações só poderão ser feitas após a conclusão das investigações

Em uma tentativa de melhorar a articulação política, o presidente considera fazer uma minirreforma ministerial com foco no Palácio do Planalto.Em uma tentativa de melhorar a articulação política, o presidente considera fazer uma minirreforma ministerial com foco no Palácio do Planalto. - Foto: Alan Santos/PR

Seis dias depois da morte do músico e segurança Evaldo Rosa dos Santos, 46, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se manifestou publicamente pela primeira vez sobre o caso, em entrevista a jornalistas em Macapá, nesta sexta-feira (12).

"O Exército não matou ninguém, não, o Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de ser assassino não. Houve um incidente, houve uma morte, lamentamos a morte do cidadão trabalhador, honesto, está sendo apurada a responsabilidade", disse ele.

Segundo Bolsonaro, o Exército sempre aponta responsáveis e, na corporação, "não existe essa de jogar para debaixo do tapete". Ele citou ainda a perícia e investigação que estão sendo realizadas para apurar as circunstâncias do crime e "ter realmente certeza do que aconteceu naquele momento".


Leia também:
'Já falei que não entendia de economia', diz Bolsonaro após intervir no preço do diesel
Movimento indígena rebate Bolsonaro sobre uso de dinheiro público em protesto
Bolsonaro anuncia decreto para caçadores, atiradores e colecionadores de armas


"O Exército, na pessoa do seu comandante, o ministro da Defesa, vai se pronunciar sobre esse assunto. Se for o caso, me pronuncio também. Com os dados na mão, com os números na mão, nós vamos assumir a nossa responsabilidade e mostrar realmente o que aconteceu para a população brasileira", afirmou.

Até então, a única manifestação do presidente sobre o caso havia ocorrido via porta-voz da presidência, general Rêgo Barros, que também classificou o caso como "incidente" e negou que o presidente tivesse feito manifestações de pesar pela morte do músico.

Evaldo foi morto depois de ter o carro alvejado com 80 tiros por militares do Exército, na tarde do último domingo (7), no Rio de Janeiro. A mulher dele, o filho de sete anos, uma amiga e o sogro dele também estavam no veículo. O sogro ficou ferido.

Também nesta sexta, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, se pronunciou sobre o caso, em entrevista à rádio CBN. "Sob pressão e sob forte emoção, ocorrem erros dessa natureza. Isso aí está sendo investigado, foi aberto o inquérito policial militar devido", disse ele.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, também chamou o caso de incidente e disse que o Exército "vai apurar e cortar na própria carne". Na quinta, ele reconheceu que o armamento usado "não é adequado". "Essa do Rio de Janeiro foi uma ocorrência lamentável com vítima fatal. Mas, realmente, nós não somos voluntários, nunca fomos voluntários de operações de Garantia da Lei e da Ordem. É missão. A nossa missão precípua não é essa. O nosso armamento não é adequado para isso. A legislação não é adequada para isso", disse Azevedo e Silva.

Veja também

Pacheco diz que conversará com Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça
Congresso

Pacheco diz que conversará com Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça

Petistas estimulam tese fantasiosa de que facada de Adélio em Bolsonaro foi forjada
Política

Petistas estimulam tese fantasiosa de que facada de Adélio em Bolsonaro foi forjada