Obras sacras serão retiradas do Palácio da Alvorada, onde Bolsonaro irá morar

Transferência ocorrerá após a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, ter demonstrado um desejo na retirada das obras

Palácio da AlvoradaPalácio da Alvorada - Foto: EBC

Com a posse de Jair Bolsonaro (PSL), obras de arte com imagens sacras devem ser transferidas do Palácio da Alvorada, onde irá morar a família do presidente eleito, rumo ao Palácio do Jaburu.

Nesta segunda (17), a residência oficial apresenta como parte de seu mobiliário cinco peças de simbologia católica: um par de anjos barrocos tocheiros, na biblioteca, e quatro estátuas de santos nas salas de música e de estado.

Uma das imagens é uma representação em madeira de Santa Bárbara, do século 18. O vice-presidente eleito, Hamilton Mourão (PRTB), confirmou o recebimento da escultura. "Ela é, inclusive, padroeira da artilharia", disse à reportagem.

Leia também:
Humberto critica retirada de quadros do Palácio da Alvorada
Bolsonaro antecipa retorno a Brasília para reunir ministros
Bolsonaro deve inaugurar colégio militar que leva nome de seu pai
[Manchetes] Confira os destaques nos jornais do país, nesta segunda


O general e sua mulher são católicos e, assim como o presidente eleito, ele estudou na Academia Militar das Agulhas Negras com especialidade em artilharia. Antes da mudança, no próximo ano, a peça de arte passará por uma restauração.

Segundo relatos feitos à reportagem por três funcionários do Palácio do Planalto, a transferência ocorrerá após a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, ter demonstrado um desejo na retirada das obras. Ela teria perguntado se seria possível que as obras deixassem o Palácio da Alvorada.

Procurada, a assessoria da futura primeira-dama informou que ela não tinha interesse em falar com a reportagem. A mulher do presidente eleito frequenta a Igreja Batista Atitude, no Rio de Janeiro. As denominações evangélicas não costumam adorar esculturas de santo.

Para o ex-curador da Presidência da República Rogério Carvalho, a futura primeira-dama tem sido mal assessorada. Na sua avaliação, é natural que o novo presidente faça mudanças na área privativa, cujo acesso não é público.

"Mas, na parte pública, o ideal é que as peças de arte sejam mantidas para preservar a leitura histórica", disse.

Ele conta que, de acordo com relatos de antigos funcionários da Presidência da República, no passado, o presidente Ernesto Geisel, que era luterano, pediu a retirada da pintura "Orixás", de Djanira da Motta.

A obra de arte, uma tela de grande formato de divindades do candomblé, só voltou a ser exposta nos palácios do governo anos depois, pelas mãos da ex-primeira-dama Ruth Cardoso (falecida esposa de Fernando Henrique Cardoso).

A pintura, hoje exibida no segundo andar do Palácio do Planalto, também deve deixar as vistas da família de Jair Bolsonaro. A previsão é que ela seja cedida ao Masp (Museu de Arte de São Paulo) para uma exposição, a partir de fevereiro, e depois viaje pelo país. O empréstimo deve durar cerca de oito meses.

No início do ano passado, quando resolveu morar no Palácio do Alvorada, o presidente Michel Temer também fez modificações na decoração da residência oficial. Por preferência pessoal, pediu a troca dos sofás por cores mais claras.
Já no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, a então primeira-dama Marisa Letícia pediu que fosse feito um canteiro de flores vermelhas, no formato da estrela do PT, nos jardins do palácio do governo. A iniciativa foi criticada por entidades de preservação do patrimônio.

Sobre a mudança das obras com motivos sacros, o Palácio do Planalto informou, por meio de nota, que "não há pedido sobre a transferência de local".

Recentemente, o acervo do Palácio da Alvorada passou por uma recuperação histórica. As peças restauradas são estimadas em R$ 2,5 milhões e a residência oficial voltou a ter mobiliário elaborado por Oscar e Anna Maria Niemeyer.OO

Veja também

Remoção de seguidores de bolsonaristas no Twitter vira combustível para decreto que controla redes
Internet

Remoção de seguidores de bolsonaristas no Twitter vira combustível para decreto que controla redes

Nunes Marques suspende quebra de sigilo de ex-secretário da Saúde
JUSTIÇA

Nunes Marques suspende quebra de sigilo de ex-secretário da Saúde