Odebrecht pagou US$ 27,7 milhões em subornos na Colômbia

Foram mais de 84 bilhões de pesos em subornos em troca de contratos para obras públicas na Colômbia

OdebrechtOdebrecht - Foto: AFP

A construtora Odebrecht pagou mais de 27,7 milhões de dólares em subornos na Colômbia, incluindo os 11,1 milhões informados pelas autoridades dos Estados Unidos, revelou nesta terça-feira a procuradoria colombiana, que pediu investigações contra quatro senadores.

Leia também
Maia remarca depoimento que daria à PF em inquérito sobre Odebrecht


A empresa teria pago no total mais de 84 bilhões de pesos (cerca de 27 milhões de dólares) em subornos em troca de contratos para obras públicas na Colômbia, disse o procurador-geral, Néstor Martínez, em entrevista coletiva.

Segundo Martínez, as provas permitem "inferir razoavelmente" que a Odebrecht pagou através de suas filiais na Colômbia 34,653 milhões de pesos (aproximadamente 11,4 milhões de dólares) entre 2014 e 2015 pelo contrato do trecho 2 da Estrada do Sol, no norte do país.

"Uma vez recebido o dinheiro, essas empresas distribuíam parte do mesmo através de outros sub-contratos ou transações posteriores, que tinham o objetivo de fazer chegar pagamentos irregulares a funcionários públicos", explicou Martínez.

O procurador enviou cópias à Corte Suprema de Justiça para que autorize as investigações contra os senadores Bernardo Miguel Elias, Musa Besaile, Plinio Olano - os três do Partido de la U (governista) - e Antonio Guerra de la Espriella, do partido de direita Cambio Radical, "como supostos beneficiários destes pagamentos".

Além disso, o procurador-geral relacionou o conservador Ciro Rodríguez ao suposto crime de tráfico de influência e denunciou outras seis pessoas, três delas do Brasil e de Portugal, por sua participação na elaboração do esquema de pagamentos.

A procuradoria acrescentou que "avança na identificação" de supostos pagamentos totalizando 18,5 bilhões de pesos (cerca 6,1 milhões de dólares) em 2009, e 9,4 bilhões (3,1 milhões) em 2014, "cujos destinatários finais estão por ser estabelecidos".

A Odebrecht reconheceu ao governo dos Estados Unidos ter distribuído 11,1 milhões de dólares em subornos na Colômbia.

Segundo o grupo, 4,6 milhões foram para o trecho 2 da Estrada do Sol, uma via de 500 quilômetros que une o centro do país ao Caribe, cuja execução foi iniciada no mandato de Álvaro Uribe (2002-2010) e continuou no governo de Juan Manuel Santos, a partir de 2010.

Os outros 6,5 milhões de dólares foram distribuídos em 2014 para obter o trecho Ocaña - Gamarra. Por esse caso, estão presos o ex-vice-ministro de Transporte Gabriel García e o ex-senador Otto Bula.

A máxima autoridade eleitoral colombiana investiga o financiamento da Odebrecht às campanhas presidenciais de Santos e de Óscar Iván Zuluaga, seu rival nas eleições de 2014 pelo direitista Centro Democrático, liderado por Uribe.

Veja também

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro
Conteúdo removido

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental
Negócios

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental