ELEIÇÕES 2022

Oficializado candidato, Doria busca outros nomes da terceira via

Nas próximas semanas, o paulista deve se reunir com outras forças do centro político que ensaiam entrar na disputa

Governador de São Paulo, João DoriaGovernador de São Paulo, João Doria - Foto: Governo de SP/Divulgação

Após ser escolhido nas prévias anteontem, o governador de São Paulo e candidato do PSDB à Presidência, João Doria, começa a atuar, agora, na tentativa de construção de uma terceira via contra a polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro.

Nas próximas semanas, o paulista deve se reunir com outras forças do centro político que ensaiam entrar na disputa, como o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Antes disso, porém, ele deverá reconstruir as pontes no próprio PSDB após uma campanha marcada por ataques mútuos e que aprofundou divisões internas. Líderes tucanos defendem que Doria faça uma concessão ao governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que saiu derrotado das primárias, e o incorpore à sua campanha.

Doria disse ontem ao jornal “Folha de S.Paulo” que convidou o gaúcho para uma “posição de protagonismo” no seu time e que marcou uma conversa com ele na volta de uma missão empresarial em Nova York, entre 1º e 5 de dezembro.

Embora também tenha adotado tom conciliatório após a votação, Leite disse ao GLOBO desconhecer qualquer reunião com Doria e afirma que não recebeu nenhum convite. O gaúcho afirmou que o “diálogo sempre foi sua marca”, mas deixou claro que o seu foco será no governo estadual.
 

"Desejo sorte a Doria em sua campanha presidencial, mas tenho o Rio Grande do Sul para governar até o último dia do meu mandato. As prévias demonstraram que temos estilos e métodos diferentes de campanha. Penso que deve haver uma sinergia entre candidato e coordenador maior do que o simples fato de estarem no mesmo partido", disse.

Se o gaúcho não parece tão entusiasmado, Moro fez um gesto em direção aos tucanos. Após o resultado das prévias, o ex-juiz parabenizou Doria pela vitória e Leite, segundo suas palavras, “pelo bom combate”.

Com piso maior nas pesquisas de intenção de voto, até em razão da fama conquistada na Operação Lava-Jato, Moro tem sido cotado nos bastidores para uma eventual composição com Doria.

Apesar disso, o entorno do governador paulista acredita que ele crescerá nas pesquisas e diminuirá sua rejeição paulatinamente agora que as primárias terminaram. Aliados argumentam que Doria patinava nas pesquisas porque a população ainda não sabia que ele era candidato. Apostam, também, que o legado da Coronavac, primeira vacina contra a Covid-19 a ser aplicada no país, o ajudará.

Em entrevista à “CNN Brasil”, ontem, Doria fez acenos a Moro. Simone Tebet e Pacheco também foram citados.

"Tenho boas relações com Sergio Moro e tenho respeito por ele, não haveria nenhuma razão para não manter relações com alguém que ajudou o Brasil, com alguém que contribuiu com a Lava-Jato, assim como Simone Tebet, uma brilhante senadora, e o senador Rodrigo Pacheco, com boa postura e equilíbrio", disse o tucano.

Moro é visto no PSDB como um potencial aliado na campanha presidencial, ainda que líderes experientes elenquem alguns entraves para que ele seja cabeça de chapa. Primeiro, é um nome ancorado quase exclusivamente na bandeira do combate à corrupção, enquanto o país vive grave crise social e econômica. Segundo, por ter se filiado a um partido pequeno, que dispõe de menos recursos para uma disputa nacional e que costuma ter seu foco voltado para fortalecer sua bancada de deputados.

Outro ponto é que tucanos desconfiam da capacidade de articulação política do ex-juiz. Lembram também da sua dificuldade de relacionamento com o Congresso quando foi ministro da Justiça. Nesse contexto, fontes do PSDB avaliam que Moro poderia ser um bom vice. O Podemos, porém, o trata como candidato a presidente.

Um efeito colateral da definição das prévias tucanas é o destravamento de alguns movimentos políticos que aguardavam o resultado da eleição interna. Um deles é a saída do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do PSDB. Ele tem sinalizado que migrará para o PSD para concorrer novamente ao governo. Outra possibilidade é se filiar ao PSB para ser vice de Lula. O ex-governador deve levar com ele um grupo de ex-prefeitos, vereadores e quadros históricos da sigla no estado.

Veja também

Presidente do Senado quer votar projeto sobre preço de combustíveis Política

Presidente do Senado quer votar projeto sobre preço de combustíveis

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19Política

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19