Política

Operação investiga Pezão e cumpre mandados no Rio de Janeiro

Ao menos duas pessoas já foram presas por policiais civis do Departamento Geral de Combate à Corrupção ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro

Ex-governador do RJ, PezãoEx-governador do RJ, Pezão - Foto: Marcelo Sayão

A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpre nesta sexta (29) quatro mandados de prisão temporária e 26 de busca e apreensão contra suspeitos de integrarem um esquema de fraudes em licitações estaduais. Batizada de Operação Cerco, a ação é um desdobramento da Operação La Casa de Papel, que apura fraudes em pregões eletrônicos para a compra de resmas de papel em diversos órgãos estaduais no ano de 2018.

Um dos investigados na operação é o ex-governador Luiz Fernando Pezão. Procurada pela Agência Brasil, a defesa de Pezão disse que vai estudar o caso antes de se pronunciar. Além das buscas e prisões, a Vara Especializada de Combate ao Crime Organizado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou o bloqueio de contas dos investigados e suas empresas, no valor de até R$ 241 milhões.

Leia também:
PF deflagra 2ª fase de operação contra fraude em licitação e corrupção no Amapá
Gestores divulgam nota em defesa do secretário de Saúde do Recife, alvo de operação da PF
Cabral volta a citar propina a Pezão, que nega e diz que prisão foi violência


Ao menos duas pessoas já foram presas por policiais civis do Departamento Geral de Combate à Corrupção ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD). Documentos e celulares foram apreendidos para análise.

Segundo a Polícia Civil, consta na investigação que a Controladoria Geral do Estado identificou uma movimentação financeira suspeita de R$ 925 mil ligada às fraudes.

Veja também

Polícia Federal pediu quebra de sigilo de Jair Renan por suspeita de tráfico de influência
Família Bolsonaro

Polícia Federal pediu quebra de sigilo de Jair Renan por suspeita de tráfico de influência

Em jantar com advogados, Lula agradece doações e diz não ter rancor por prisão
Lula

Em jantar com advogados, Lula agradece doações e diz não ter rancor por prisão