Operação Lava Jato: Justiça Federal bloqueia bens da Odebrecht e OAS

O pedido de bloqueio foi solicitado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para garantir o ressarcimento dos cofres públicos

Mendonça, Armando e Bruno se pronunciam após resultadoMendonça, Armando e Bruno se pronunciam após resultado - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

A Justiça Federal em Curitiba determinou o bloqueio dos bens das empreiteiras Odebrecht e OAS, empresas investigadas na Operação Lava Jato. De acordo com a decisão, as construtoras deverão depositar mensalmente em juízo a quantia de 3% do faturamento, valor referente ao percentual de propina que teria sido cobrada em contratos da Petrobras.

O pedido de bloqueio foi solicitado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para garantir o ressarcimento dos cofres públicos após decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que apontou superfaturamento de R$ 2,1 bilhões nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

O bloqueio também atinge o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque. No caso dos acusados, veículos, obras de arte e outros bens móveis ficarão indisponíveis. A Agência Brasil entrou em contato com as empreiteiras e aguarda retorno.

Veja também

Plenário do Supremo garante porte de arma a todas as guardas municipais do país
STF

Plenário do Supremo garante porte de arma a todas as guardas municipais do país

Haddad coloca Ciro como candidato da direita e fala em união da oposição somente no 2º turno de 2022
Política

Haddad coloca Ciro como candidato da direita e fala em união da oposição somente no 2º turno de 2022