Oposição anuncia novo pedido de impeachment contra Temer

Pedido se somará ao já apresentado isoladamente na segunda pelo PSOL

Ivan Moraes (PSol) é um dos apoiadores do movimento Ocupe Estelita.Ivan Moraes (PSol) é um dos apoiadores do movimento Ocupe Estelita. - Foto: Arthur de Souza

Partidos e organizações de esquerda reunidos na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (29) anunciaram a intenção de protocolar no próximo dia 6 um novo pedido de impeachment contra o presidente Michel Temer.

Fazem parte do grupo PT, PC do B, PDT, PSOL, UNE (União Nacional dos Estudantes), CUT (Central Única dos Trabalhadores) e MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), entre outros.

O pedido se somará ao já apresentado isoladamente nesta segunda-feira (28) pelo PSOL.

Assim como o anterior, a tendência é a de que o novo documento também caminhe para os arquivos da Câmara. Isso porque cabe ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidir se esses pedidos devem seguir a tramitação ou ser sumariamente rejeitados.

Maia é um dos principais aliados de Michel Temer.

"Há consenso de que há crime de responsabilidade e de que o pedido de impeachment é a peça concreta que cabe neste momento", afirmou a líder da oposição na Câmara, Jandira Feghali (PC do B-RJ), após a reunião. Além de deputados, senadores e integrantes dos grupos, participou da reunião também o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão (gestão de Dilma Rousseff).

Assim como o do PSOL, o novo pedido de impeachment é baseado no argumento de que o presidente cometeu crime de responsabilidade no caso que resultou na saída do governo dos ministros Marcelo Calero (Cultura) e Geddel Vieira Lima (Governo).

Em entrevista coletiva no domingo (27) Temer negou ter agido em benefício de Geddel no episódio da liberação de um empreendimento imobiliário na Bahia e disse não ter cometido ilegalidades.

De acordo com Feghali, o pedido deve ser assinado pelas entidades de esquerda e apoiado pelos partidos de oposição.

Veja também

Bolsonaro sanciona lei que suspende pagamento de parcelas do Fies
FIES

Bolsonaro sanciona lei que suspende pagamento de parcelas do Fies

Amazônia tem 14º mês seguido de aumento de desmate, e derrubada em junho é a maior desde 2016
Meio Ambiente

Amazônia tem 14º mês seguido de aumento de desmate, e derrubada em junho é a maior desde 2016