CPI do MEC

Oposição deve recorrer ao STF para CPI do MEC começar antes das eleições

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que realizará nesta quarta-feira a leitura em plenário do requerimento de abertura da CPI

Senador Randolfe Rodrigues (REDE)Senador Randolfe Rodrigues (REDE) - Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado

A oposição deve ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o suspeitas de corrupção no Ministério da Educação (MEC) seja instalada antes das eleições.

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que realizará nesta quarta-feira a leitura em plenário do requerimento de abertura da CPI. No entanto, Pacheco afirmou que a maioria dos líderes defende que a CPI do MEC só seja instalada após as eleições e junto com outras três comissões.

— Devemos ir ao STF, porque a CPI é um direito da minoria. Não pode a maioria decidir protelar ou travar esse instrumento — disse o senador Humberto Costa (PT-PE).

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que vai ao STF caso Pacheco não leia a CPI até amanhã.

— Eu aguardarei até amanhã a leitura do requerimento para a instalação da CPI do MEC. Caso não ocorra, não restará, lamentavelmente, à oposição outra alternativa a não ser recorrer ao Supremo Tribunal Federal — disse Randolfe, após a reunião de líderes.

No encontro dos líderes nesta terça, Pacheco afirmou que fará a leitura dos requerimentos de todas as CPIs. Além da comissão do MEC, há três outras na fila: uma sobre obras do MEC de gestões passadas paradas, de autoria do líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ); outra sobre a atuação do narcotráfico no Norte e Nordeste do país, e uma terceira sobre a atuação de ONGs na Amazônia.

Pacheco, porém, ponderou que a maioria dos líderes é contrário a abertura das CPIs antes da eleição. Para que a comissão inicie seu trabalho, os partidos devem indicar quem serão seus representantes no colegiado. A CPI só pode funcionar quando atingir a maioria absoluta das vagas do colegiado, isto é, metade mais um. No caso da CPI do MEC, é necessário ter seis das 11 cadeiras ocupadas.

Antes da reunião, o presidente do Senado havia prometido a Randolfe que faria a leitura do requerimento da comissão ainda nesta terça-feira. No entanto, não há sessão do Senado marcada para hoje, apenas da Câmara. Pelo regimento, a abertura de uma CPI só pode ser lida no plenário da Casa onde será instalada.

Caso Pacheco não faça a leitura do requerimento da CPI até amanhã, Randolfe ameaça repetir o que foi feito para que a CPI da Covid fosse aberta, no ano passado. A comissão que investigou a condução do governo de Jair Bolsonaro (PL) só foi instalada após determinação do STF. A Corte foi acionada pela oposição, após o requerimento ficar quase dois meses na gaveta do presidente do Senado.

— No caso da CPI do MEC, nós alcançamos 31 assinaturas, quatro a mais que o mínimo necessário para ser instalada. Sobre a Constituição, não cabe juízo de valor, de oportunidade, de conveniência de quem quer que seja, muito menos do colégio de líderes do Senado Federal — disse Randolfe.

Com a leitura dos requerimentos, Pacheco deixa a decisão da instalação das CPIs para os líderes do Senado, que serão responsáveis pela indicações do senadores que integrarão os colegiados. O que determinará o funcionamento serão as indicações dos líderes, disse o presidente do Senado durante a reunião. Ele abriu a reunião falando que não cabe juízo de valor em relação às comissões.

Pacheco pediu ao líderes que façam a reflexão se a abertura da comissão é oportuna devido ao momento eleitoral. Faltam apenas três meses para a eleição, em outubro. A proximidade do pleito é um dos principais argumentos da base governista no Senado para adiar a CPI para depois da votação.

Veja também

TSE começa a julgar aplicação da lei de proteção de dados nas eleições
Justiça

TSE começa a julgar aplicação da lei de proteção de dados nas eleições

Ministro Edson Fachin participa de última sessão no comando do TSE
Justiça

Ministro Edson Fachin participa de última sessão no comando do TSE