Oposição não impede aprovação, mas estica sessão: quase cinco horas

Em jogo, estava o prazo estabelecido pelo governo para o rodízio começar a valer

Governador Paulo CâmaraGovernador Paulo Câmara - Foto: (Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco)

Autor do pedido que resultou, na última terça-feira, em adiamento da votação do Projeto de Lei 1140/2020, de autoria do Governo do Estado, na Comissão de Justiça da Alepe, o deputado Antônio Coelho voltou a arguir, ontem, durante votação remota em plenário, questão relacionada ao regimento. Dirigindo-se ao presidente da Casa, Eriberto Medeiros, o democrata questionou o fato de a ordem do dia ter sido publicada ontem mesmo, sem respeito ao prazo de 48 horas previsto no regimento.Disse que isso poderia resultar em insegurança jurídica e que "o Judiciário poderia interpretar que o regimento foi atropelado". Para Antônio, isso renderia "insegurança ao Estado de Pernambuco".

O deputado Alberto Feitosa advertiu que isso poderia "gerar recursos". O movimento da Oposição, formada por 11 membros, resultou em obstáculo para o governo, cuja base soma 38 deputados, aprovar a proposta. De autoria do governador Paulo Câmara, o referido projeto autoriza apreensão ou remoção de veículos, quando caracterizada infração ao rodízio imposto pelas medidas mais restritivas de combate à Covid-19.

Ainda na manhã de ontem, os movimentos nas comissões que apreciaram o texto já sinalizavam que a parte da Oposição votaria contra. Na Comissão de Finanças, a proposta teve voto contrário de Antônio Coelho. Em Administração, foi aprovado com voto contrário de Romero Sales Filho. Em plenário, com 47 presentes, o placar foi de 38 X 8. O presidente não vota. Votaram contra: Antônio Coelho, Marco Aurélio Medeiros, Joel da Harpa, Álvaro Porto, Clarissa Tércio, Romero Sales Filho, Alberto Feitosa e Wanderson Florêncio. O governo tinha pressa, porque o decreto, editado na última segunda, que determina a "quarentena em cinco municípios", incluindo o rodízio de veículos, tem início amanhã. O governador Paulo Câmara ainda precisará sancionar hoje e a lei será publicada no Diário Oficial de amanhã. A Oposição pode não ter números para impedir a aprovação, mas essa semana já havia conseguido adiar a votação e, caso isso se repetisse, o risco era o governo ser obrigado a esperar para semana que vem. A sessão durou mais de quatro horas.

 

 

Combo: rodízio + restrição à circulação

 

O deputado Antônio Coelho vinha batendo na tecla, desde a última terça-feira, de que os resultados do rodízio em São Paulo "foram desastrosos". Antônio disse ter preocupação para que Pernambuco "não importe esse erro de São Paulo". O deputado Waldemar Borges, no entanto, que preside a CCLJ, rebate, sublinhando que, em São Paulo, se adotou só o rodízio e que, em Pernambuco, há rodízio associado às duras restrições à circulação de pessoas.
Imagina! > Sobre a Medida Provisória 966, editada na madrugada de ontem, o deputado federal Wolney Queiroz, líder do PDT, realça: "Ela isenta os agentes públicos por erros e omissões no combate ao coronavírus em todas as esferas. Imagina: prefeito, governador, secretário municipal, secretário estadual... Principalmente, os ministros e o próprio presidente. Ninguém quer ser responsabilizado pelo que fizeram e não serão por conta dessa MP".
Edição...> Vice-líder da Oposição, Tadeu Alencar, entrevistado pela TV Câmara, criticou a edição contumaz de medidas provisórias, o que, segundo ele, trava o debate parlamentar e impede a participação da sociedade nas pautas do Congresso, nesses tempos de pandemia.
...contumaz > Tadeu explica: “Ao invés de editar MPs, uma sobre a outra, seria melhor o diálogo com o Legislativo. Sem isso, as medidas, muitas vezes, sequer são discutidas ou votadas”.

Veja também

Fux deve incluir menção às Forças Armadas em discurso com resposta a ameaças golpistas
STF

Fux deve incluir menção às Forças Armadas em discurso contra ameaças golpistas

Moraes, do STF, manda PF retomar investigação que apura se Bolsonaro interferiu na corporação
DECISÃO

Moraes, do STF, manda PF retomar investigação que apura se Bolsonaro interferiu na corporação